• Ricardo Hingel
  • 05 Dezembro 2014

Após muito discutir-se, a dívida estadual será renegociada com o governo federal. Solução? Adianto a resposta.
Adianto a resposta com uma notícia para o governador eleito: a renegociação em nada repercutirá em seu fluxo de caixa, pois as prestações e o comprometimento da receita não serão reduzidos. Mais, com a renegociação, os encargos continuarão elevados, mantendo sua condição de impagável. Saliente-se que o ex-governador Antônio Britto herdou uma dívida resultante de continuados anos de déficits e que foi negociada em 1998, em conjunto com outros Estados e municípios, com um prazo de 30 anos e limitando seu pagamento em 13% da receita líquida. O que excedesse os 13% geraria um resíduo a ser pago após o 30º ano. O custo foi um índice de preços, retratando a inflação, mais 6% anuais, taxa de juros real usada no combate à inflação.

Com a renegociação, a dívida continuará impagável, pois foi reduzida apenas em parte a parcela de juros de 6% para 4% ao ano, mais o índice de preços, e limitou-se à variação da taxa Selic.

Resta uma taxa de juros nominal para 2015 próxima de 11%, cara para a capacidade de pagamento do Estado, pois a economia e a arrecadação não crescem nessa proporção. Lembramos que em 1998 o Plano Real estava se consolidando e a expectativa era de que a inflação se reduzisse ao longo dos anos a níveis inferiores aos atuais, o que permitiria também a diminuição dos juros reais, porém, continuados erros de gestão econômica do governo federal fizeram com que a inflação persistisse e os juros permanecessem altos.

Portanto, o custo e o tamanho da dívida resultam exatamente da condução da política econômica federal. Se a partir de 1998 o Brasil tivesse ajustado sua economia com crescimento e baixa inflação, teríamos encargos inferiores aos verificados, uma dívida menor e uma arrecadação maior.

Ciente da inadequação das taxas de juros praticadas no Brasil, o governo federal financiou, através do BNDES, com bilionários subsídios, os mais diversos investimentos. Mesmo tratamento não tiveram os Estados, que arcaram com as consequências dos maus resultados econômicos provocados pelo governo federal, conforme aqui sintetizado.

*Economista
 

Continue lendo
  • The economist
  • 04 Dezembro 2014

The economics of oil have changed. Some businesses will go bust, but the market will be healthier
Dec 6th 2014 | From the print edition

THE official charter of OPEC states that the group’s goal is “the stabilisation of prices in international oil markets”. It has not been doing a very good job. In June the price of a barrel of oil, then almost $115, began to slide; it now stands close to $70.
This near-40% plunge is thanks partly to the sluggish world economy, which is consuming less oil than markets had anticipated, and partly to OPEC itself, which has produced more than markets expected. But the main culprits are the oilmen of North Dakota and Texas. Over the past four years, as the price hovered around $110 a barrel, they have set about extracting oil from shale formations previously considered unviable. Their manic drilling—they have completed perhaps 20,000 new wells since 2010, more than ten times Saudi Arabia’s tally—has boosted America’s oil production by a third, to nearly 9m barrels a day (b/d). That is just 1m b/d short of Saudi Arabia’s output. The contest between the shalemen and the sheikhs has tipped the world from a shortage of oil to a surplus.
Fuel injection
Cheaper oil should act like a shot of adrenalin to global growth. A $40 price cut shifts some $1.3 trillion from producers to consumers. The typical American motorist, who spent $3,000 in 2013 at the pumps, might be $800 a year better off—equivalent to a 2% pay rise. Big importing countries such as the euro area, India, Japan and Turkey are enjoying especially big windfalls. Since this money is likely to be spent rather than stashed in a sovereign-wealth fund, global GDP should rise. The falling oil price will reduce already-low inflation still further, and so may encourage central bankers towards looser monetary policy. The Federal Reserve will put off raising interest rates for longer; the European Central Bank will act more boldly to ward off deflation by buying sovereign bonds.
There will, of course, be losers (see article). Oil-producing countries whose budgets depend on high prices are in particular trouble. The rouble tumbled this week as Russia’s prospects darkened further. Nigeria has been forced to raise interest rates and devalue the naira. Venezuela looks ever closer to defaulting on its debt. The spectre of defaults and the speed and scale of the price plunge have unnerved financial markets. But the overall economic effect of cheaper oil is clearly positive.
Just how positive will depend on how long the price stays low. That is the subject of a continuing tussle between OPEC and the shale-drillers. Several members of the cartel want it to cut its output, in the hope of pushing the price back up again. But Saudi Arabia, in particular, seems mindful of the experience of the 1970s, when a big leap in the price prompted huge investments in new fields, leading to a decade-long glut. Instead, the Saudis seem to be pushing a different tactic: let the price fall and put high-cost producers out of business. That should soon crimp supply, causing prices to rise.
There are signs that such a shake-out is already under way. The share prices of firms that specialise in shale oil have been swooning. Many of them are up to their derricks in debt. Even before the oil price started falling, most were investing more in new wells than they were making from their existing ones. With their revenues now dropping fast, they will find themselves overstretched. A rash of bankruptcies is likely. That, in turn, would bespatter shale oil’s reputation among investors. Even survivors may find the markets closed for some time, forcing them to rein in their expenditure to match the cash they generate from selling oil. Since shale-oil wells are short-lived (output can fall by 60-70% in the first year), any slowdown in investment will quickly translate into falling production.
This shake-out will be painful. But in the long run the shale industry’s future seems assured. Fracking, in which a mixture of water, sand and chemicals is injected into shale formations to release oil, is a relatively young technology, and it is still making big gains in efficiency. IHS, a research firm, reckons the cost of a typical project has fallen from $70 per barrel produced to $57 in the past year, as oilmen have learned how to drill wells faster and to extract more oil from each one.
The firms that weather the current storm will have masses more shale to exploit. Drilling is just beginning (and may now be cut back) in the Niobrara formation in Colorado, for example, and the Mississippian Lime along the border between Oklahoma and Kansas. Nor need shale oil be a uniquely American phenomenon: there is similar geology all around the world, from China to the Czech Republic. Although no other country has quite the same combination of eager investors, experienced oilmen and pliable bureaucrats, the riches on offer must eventually induce shale-oil exploration elsewhere.
Most important of all, investments in shale oil come in conveniently small increments. The big conventional oilfields that have not yet been tapped tend to be in inaccessible spots, deep below the ocean, high in the Arctic, or both. America’s Exxon Mobil and Russia’s Rosneft recently spent two months and $700m drilling a single well in the Kara Sea, north of Siberia. Although they found oil, developing it will take years and cost billions. By contrast, a shale-oil well can be drilled in as little as a week, at a cost of $1.5m. The shale firms know where the shale deposits are and it is pretty easy to hire new rigs; the only question is how many wells to drill. The whole business becomes a bit more like manufacturing drinks: whenever the world is thirsty, you crank up the bottling plant.
Sheikh out
So the economics of oil have changed. The market will still be subject to political shocks: war in the Middle East or the overdue implosion of Vladimir Putin’s kleptocracy would send the price soaring. But, absent such an event, the oil price should be less vulnerable to shocks or manipulation. Even if the 3m extra b/d that the United States now pumps out is a tiny fraction of the 90m the world consumes, America’s shale is a genuine rival to Saudi Arabia as the world’s marginal producer. That should reduce the volatility not just of the oil price but also of the world economy. Oil and finance have proved themselves the only two industries able to tip the world into recession. At least one of them should in future be a bit more stable.
 

Continue lendo
  • Francisco Ferraz
  • 04 Dezembro 2014


 A eleição presidencial deste ano foi muito menos conclusiva que a eleição de 2010.
Narecém-disputada eleição,a presidente da república ganhou com uma diferença muito menos expressiva do que na de 2010. Além disso, o governonão enfrentava uma crise econômica da gravidade da atual e, nem o governo do PT passava por uma crise política como a resultante das revelações da rede de corrupção na Petrobrás.
Tampouco a eleição presidencial de 2010 deixara o rastro de intensa hostilidade política que a campanha de 2014 deixou. Por fim, o outro saldo importante da campanha eleitoral deste ano foi o aparecimento de uma oposição forte, determinada e qualificada, com um líder consagrado nas urnas, pelo resultado de sua votação e pelo seu desempenho na campanha.
O quadro político do país apresenta-se, neste final de 2014, como muito mais complexo e indefinido do que há 4 anos.
Há como indica o título do artigo, mais de uma dezena de estratégias em jogo sobre a mesa, o que equivale a dizer que há mais de dez atores políticos de primeira linha, em condições de influir decisivamente sobre a configuração do tabuleiro político, onde o jogo será jogado.
Por outro lado, há também situações em andamento e em desenvolvimento que condicionam a iniciativa de ação dos principais players.Quais são esses?
Num primeiro plano a Presidente da República, o lider da oposição senador Aécio Neves, o juiz Sérgio Moro, o PMDB especialmente Michel Temer, Eduardo Cunha, o ex presidente Lula, o STF, a nova equipe econômica, o PT, o novo senado e a nova câmara dos deputados.
Há ainda muitos outros players que neste momento podem parecer secundários, mas que podem afetar posições dos principais.
Há o TCU, os empresários investigados, a CPMI, os partidos políticos da base, da oposição, governadores de estados, investigações sobre a Petrobrás e o governo em andamento no exterior, reações da população ao preço a pagar pela recuperação econômica, novas e mais graves descobertas produzidas pelas investigações.
A qualquer momento, um fato novo provocado por um dos players – principais ou secundários – pode fazer com que as peças já dispostas no tabuleiro tenham que se mover.

Por enquanto todos esperam por sinais para avançar suas peças. Em condições menos complexas os principais atores – especialmente governo e oposição – criam os eixos organizadores da política, em relação aos quais os demais players se alinham.
Na atual situação, contudo, nem mesmo esses dois polos básicos do sistema político se atrevem a oferecer aos demais, os eixos estruturantes do jogo político.
Nem a presidente sabe ainda o quanto o governo Dilma II poderá ser semelhante ao Dilma I e, nem a oposição sabe ainda o quão agressiva poderá ser sem se afastar do sentimento médio da população.
Para Dilma as condições de governabilidade dependerão da não ocorrência da ‘tempestade perfeita’, a combinação de:
• Agravamento da crise econômica;
• Evolução da crise política a ponto de atingi-la;
• Revolta da população com o preço da recuperação.
Para a oposição a intensidade de sua atuação dependerá em grande medida das dificuldades do governo nessas três áreas: econômica, política e popular.
Outros players, como o PMDB de Temer e de Eduardo Cunha, evitam comprometer-se incondicionalmente (como fizeram em 2010), sem antes avaliar como Dilma evitará a tempestade perfeita e, enquanto pairarem incertezas graves o preço de sua adesão será evidentemente elevado.
Neste período de curto prazo quem dá as cartas é o juiz Sérgio Moro, embora eticamente não se afaste de sua posição técnica no desempenho de sua função jurídica.
É dele, da PF, da Procuradoria, dos depoimentos dos diretores da Petrobrás e dos empresários investigados que poderão surgir fatos novos que alterem este quadro políticoainda muito indefinido, e forcem o aparecimento dos eixos organizadores da dinâmica política democrática.

www.politicaparapoliticos.com.br
 

Continue lendo
  • Merval Pereira
  • 03 Dezembro 2014

 O Globo, 02.12.2014 08h00m


A complacência do PT com seus membros envolvidos em escândalos de corrupção corresponde à própria formação física do partido, que se vendeu à opinião pública - com êxito, admita-se - como a imagem da pureza política quando já nos governos municipais estava envolvido em transações ilegais com empresas de coleta de lixo e licitações fraudulentas.
Os assassinatos de prefeitos como Celso Daniel, de Santo André, e Toninho do PT, de Campinas, são os rastros deixados no plano municipal antes de o PT alçar-se enfim ao plano federal. Já não era mais a virgem pura que se autoproclamava, mas a complacência com as transgressões permitia que sempre voltassem a público como se virgens ainda fossem.
O caso recente, do último fim de semana, é repetição como farsa do que acontecera anteriormente, quando da condenação dos líderes partidários no caso do mensalão. O diretório nacional do PT aprovou uma nova velha regra que prevê a expulsão de qualquer filiado comprovadamente envolvido em escândalos de corrupção.
A regra anterior dizia a mesma coisa, mas foi superada pela realidade do mensalão. A proposta atual definia como "imediata" a expulsão, mas o termo tão radical foi retirado do texto oficial. Quando houve o mensalão, mesmo depois de condenados, nenhum dos líderes petistas foi expulso.
O ex-presidente José Genoino, condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha (crime depois revogado pela revisão de dois novos ministros que entraram no julgamento apenas na parte recursal) assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados por ser o primeiro suplente do PT paulista.
Também o deputado federal João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara, continuou no seu papel de deputado federal por bom tempo, até que as condições objetivas o impediram de continuar a farsa. Quem o PT expulsou de suas fileiras nos últimos anos, quando escândalos de diversos quilates estouraram no seu colo? Apenas seu tesoureiro à época do mensalão, Delubio Soares, que nunca perdeu sua situação de prestígio dentro do partido e foi finalmente reconduzido, antes mesmo do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal, numa tentativa de inocentá-lo publicamente.
José Dirceu continuou com tanta importância dentro do PT que se tornou um consultor de empresas altamente requisitado justamente por seu prestígio pessoal junto aos presidentes petistas e demais autoridades governamentais. O presidente do PT, Rui Falcão, descartou na ocasião qualquer possibilidade de expulsão do partido dos condenados no julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
O estatuto do partido determinava a expulsão de filiados condenados "por crime infamante ou por práticas administrativas ilícitas, com sentença transitado em julgado", mas segundo Falcão,"nenhum deles está incluído (na punição). Não houve desvio administrativo. Quem aplica o estatuto somos nós. Nós interpretamos o estatuto".
Agora, o Diretório Nacional manifestou "a disposição firme e inabalável de apoiar o combate à corrupção. Qualquer filiado que tiver, de forma comprovada, participado de corrupção, deve ser expulso”. Mas, como já vimos, a suposta expulsão não será "imediata", como dependerá da interpretação exclusiva do partido se a participação em corrupção foi devidamente comprovada.
Vamos dar tempo ao tempo, no caso do petrolão ainda em curso. A relação do partido com seus filiados envolvidos em atos de corrupção, no entanto, não dá margem a esperanças de que o PT resolveu, mais uma vez, "se refundar". Veja-se o caso do ex-petista André Vargas, que acabou se desfiliando do partido, mas contou com o apoio dos companheiros para retardar ao máximo sua cassação.
Agora, que a cassação enfim irá ao plenário da Câmara, veremos quantos petistas ajudarão a não dar quorum para a punição.
Então, é de se perguntar, a mais recente resolução do Diretório Nacional do PT não atinge o "pratrasmente", como diria o prefeito Odorico Paraguaçu, personagem inesquecível de Dias Gomes? É claro que não, assim como não atingirá os atuais envolvidos no petrolão. A resolução petista é mais uma daquelas para ganhar tempo e tentar reassumir a pose de virgem pura, que, com a complacência, finge ser o que nunca na verdade foi.
 

Continue lendo
  • Gilberto Simões Pires
  • 03 Dezembro 2014


COERENTE TOTAL
Os fortes rumores que estão sacudindo o mercado financeiro e de capitais dão conta de que o governo Dilma, ainda na sua versão 1.0, continua sendo absolutamente coerente. Ou seja, a presidente se mantém firme na sua forma estúpida, ou incompetente, de governar.

CAMINHO ERRADO
Ou seja, para tentar fechar as contas públicas do próximo ano, a presidente Dilma deve se decidir pelo velho, surrado, equivocado, triste e errado caminho do aumento de impostos.

PACOTE DE MALDADES
Segundo informa o jornal Folha de São Paulo de ontem, 01/12, o governo federal estuda incluir no pacote de aumento de tributos para ajuste de suas contas além da cobrança de PIS/Cofins sobre produtos importados também uma alta na taxação de cosméticos.

CIDE
Uma vez confirmadas, só estas duas medidas podem render R$ 5 bilhões extras em 2015. Além disso também está sendo fortemente cogitada pela equipe econômica do governo,a volta da CIDE (contribuição que regula o preço dos combustíveis), o que produziria uma arrecadação de R$ 14 bilhões.

ERRO IRREPARÁVEL
Como bem esclarece a equipe responsável pelo Movimento Brasil Eficiente, do qual o Pensar+ é apoiador de primeira hora, mais uma vez o governo (estupidamente coerente) comete um equívoco, por optar por aumento de impostos para tentar resolver seus problemas de caixa.
O erro de Dilma tem uma explicação que está no DNA do seu governo: A DESPESA PÚBLICA TOTAL, que aumentou escandalosamente em cada um dos seus anos de mandato, obrigando se praticar uma escalada tributária que mata a geração de caixa das empresas.

TRIBUTAÇÃO COMPLEXA E EXCESSIVA
Todas as pesquisas divulgadas por institutos internacionais mostram perda de competitividade do Brasil. E todas elas evidenciam a tributação complexa e excessiva na raiz do problema.
O cenário da indústria e, de resto, o nível das expectativas dos empresários estão muito dependentes de sinalizações práticas do governo no segundo mandato de Dilma que, em boa medida, ainda não aconteceram.

MAIS DO MESMO
Por enquanto, como bem informa o MBE, o mercado é embalado por pura esperança de uma renovação apenas pelos nomes anunciados da equipe econômica. A notícia de que a nova equipe pretende fazer o ajuste pelo aumento de impostos é mais do mesmo. Sem uma mudança na política fiscal e tributária, continuaremos perdendo espaço na economia mundial.
A sinalização de responder de modo incisivo e direto ao enorme desafio de eficiência na gestão pública, controle da corrupção e desperdício ainda não aconteceu.


 

Continue lendo
  • Bruno Braga
  • 01 Dezembro 2014

 

A CNBB é parte ativa da "Coalizão pela Reforma Política Democrática e ELEIÇÕES LIMPAS". O destaque no nome do grupo é proposital. Porque, se a conferência dos Bispos está mesmo empenhada em promover a lisura do processo eleitoral, então ela tem o dever de se manifestar sobre este que reelegeu a Presidente Dilma Rousseff - pronunciar-se sobre:

(1). As diversas denúncias de fraude, registradas em todo o território nacional (Cf. [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/eleicoes-em-cheque-uma-coletanea-de.html]);

(2). A participação da SMARTMATIC no sistema eletrônico de votação, uma empresa cubano-venezuelana já acusada de promover fraudes eleitorais inúmeras vezes;

(3). A apuração secreta determinada por um ministro altamente suspeito: o senhor Dias Toffoli, o advogado do PT que conduziu as eleições como presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral);

(4). A ILEGALIDADE do PT, que viola a norma constitucional e eleitoral por estar vinculado e subordinado a uma organização internacional: ao Foro de São Paulo, fundado em 1990 por Lula e por Fidel Castro para promover o projeto de poder socialista-comunista na América Latina (Cf. Constituição Federal, art. 17, e Lei 9.096-95, art. 28).

E não é só isso. A CNBB - que mantém um silêncio sepulcral sobre questões que já demonstram: não foram "ELEIÇÕES LIMPAS" coisíssima nenhuma - promove uma proposta de reforma política que contraria integralmente a doutrina, os princípios e orientações da própria Igreja Católica. Um projeto de lei que maquia o fortalecimento do totalitarismo petista-socialista-comunista e insere nas instâncias decisórias da vida pública uma série de ONG´s e "movimentos sociais" que pregam a luta de classes, que estão envolvidos em atividades criminosas, comprometidos com a ideologia de gênero, com a legalização das drogas e a implementação definitiva do ABORTO - do ASSASSINATO DE CRIANÇAS - no país. Um projeto de lei de iniciativa popular que, para legitimá-lo, contém assinaturas recolhidas na base da ameaça e da intimidação.

Enfim, se a CNBB está realmente disposta a reivindicar "eleições limpas", então ela não deve apenas se pronunciar sobre as denúncias que colocam a reeleição de Dilma Rousseff em cheque; a CNBB deve abandonar imediatamente a tal "Coalizão pela Reforma Política Democrática", porque a proposta apresentada pelo grupo é ela mesma uma fraude.


NOTA.

Católico, EXIJA da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil a fidelidade à Igreja, ASSINE e COMPARTILHE esta petição: "Pela retirada da CNBB do projeto de Reforma Política e Plebiscito Constituinte" [http://peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR77163].


ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. "Padres pregam proposta de reforma política. Fiéis, não assinem!" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/07/padres-pregam-proposta-de-reforma.html].
______. "O porta-voz comunista da reforma política celebrada por padres" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/07/o-porta-voz-comunista-da-reforma.html].
______. "A reforma política da CNBB. Católicos, não assinem!" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/08/a-reforma-politica-da-cnbb-fieis.html].
______. "CNBB firma PACTO com Governo PETISTA: promover a reforma política SOCIALISTA-COMUNISTA" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/08/cnbb-firma-pacto-com-governo-petista.html].
______. "'O Chefe' convoca a militância para a reforma política da CNBB" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/08/o-chefe-convoca-militancia-para-reforma.html].
______. "O 'poder econômico' no projeto de reforma política da CNBB" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/09/o-poder-economico-no-projeto-de-reforma.html].
______. "Ameaças e intimidações para promover Reforma Política. E agora, CNBB?" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/ameacas-e-intimidacoes-para-promover.html].
______. "CNBB se associa a bando que atacou a sede da Editora Abril para reivindicar Reforma Política 'democrática'" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/cnbb-se-associa-bando-socialista.html].
 

Continue lendo