Jorge Hernández Fonseca

15/01/2009
Cuando se muera Fidel, en el momento que el r?men de Ra?ecida darlo a conocer p?camente, una peque?sla del Caribe estar??cerca de eliminar medio siglo de atrocidades cometidas en nombre de la justicia social, y sus ciudadanos estar?finalmente m?cerca de dejar de vagar por el mundo cual parias apestados en busca de las oportunidades perdidas en su bello y acogedor rinc?atal y comenzar?tarde o temprano el retorno en tropel para abrazar a sus seres queridos, hoy rehenes de la pobreza, el maltrato y la ignominia. Cuando se muera Fidel, despu?de la toma de posesi?e Barack Obama, aquellos que anta?estejaron hasta el amanecer la muerte del dictador chileno Augusto Pinochet en Santiago de Chile, Ciudad M?co, Par?y Mosc?e “rasgar?las vestiduras” por las fiestas que escenificar?los exiliados cubanos en Miami, R?de Janeiro, Madrid y Caracas, argumentando que “toda muerte debe ser respetada”, aunque ni Castro ni Pinochet respetaron los miles de asesinatos de sus reg?nes sangrientos y de oprobio. Cuando se muera Fidel, y los Estados Unidos ya haya enviado recados conciliadores a los generales de Ra?los cubanos enfrentaremos la segunda etapa de nuestro trauma nacional, con una espera innecesaria para nuestra liberaci?sociada a la certeza existente en la potencia del Norte, del peligro inminente de recibir millones de inmigrantes desesperados que huyen de la continuidad de un r?men fracasado y discriminatorio, que pretender?ransmutarse en promesa de “cambios”. Cuando se muera Fidel, y los inversionistas espa?s tiemblen al ver la geopol?ca actuante por parte de los norteamericanos, sabremos verdaderamente las intenciones “democr?cas” de Zapatero con la isla, momentos en que probablemente elevar?u voz (ahora ausente) hablando de garant? para sus inversiones, estado de derecho y otras sandeces por el estilo, s?para preservar sus discriminatorias inversiones, socias hoy de una dictadura de 10 d?es por mes. Cuando se muera Fidel, y la Latinoam?ca beligerante de Hugo Ch?z, Evo Morales y Rafael Correa, junto a la izquierda moderada de Lula da Silva, Michelle Bachelet y Cristina Fern?ez de Kirchner, se junten para despedir en la isla a su admirado “dictador de otros”, una trompetilla universal retumbar?n el sainete f?re, como colof? tanta afrenta acumulada en Sudam?ca con un hombre que dedic? vida toda literalmente a acabar con su propio pa? Cuando se muera Fidel, y lo peor del mundo “intelectual” se sienta como una viuda inconsolable para siempre, no habr??viajes f?les a la isla a prostituir cubanitas j?es por un par de zapatos, un vestidito para su hijita, o el simple derecho a comer como Dios manda, porque la dignidad que no ha tenido la parte del pueblo sojuzgado que se ha prostituido, se levantar?on m?fuerza contra tanta ignominia, en una Naci?nerme en manos de un grupo de canallas. Cuando se muera Fidel, y la hipocres?corra a raudales en los sistemas informativos de la prensa radial y escrita de la dictadura, llorando cual pla?ras confusas con su futuro incierto a la muerte del capataz, quiz?ea el momento de los cansados hombres y mujeres cubanos de la isla darle un basta a tanta hipocres?acumulada en 50 a?de ignominia, opresi?discriminaci? falta de derechos, resurgiendo el esp?tu rebelde de Mart?Maceo y C?edes. Cuando se muera Fidel, y el coraz?el exilio cubano palpite por primera vez junto al coraz?e los hombres y mujeres aprisionados dentro de la isla por el verdugo que desaparece, se crear?sa fuerza m?ica que guiar?l pueblo cubano en la consecuci?e sus objetivos m?nobles asociados a la libertad, la dignidad y el honor perdido en 50 a?de oprobios. Cuando se muera Fidel, y los cubanos nos sintamos finalmente “con patria pero sin amo”, encomendaremos la Naci?ecuperada a la Santa Madre Virgen de la Caridad del Cobre, para que bendiga a todos sus hijos perdidos dentro de la isla y a aquellos desperdigados por el mundo para un abrazo definitivo y purificador, y as?ritar unidos: ¡Dictadura nunca m?

Redação Terra

15/01/2009
A Chancelaria da It?a disse que convocou o embaixador do Brasil, Adhemar Gabriel Bahadian, para protestar contra a decis?da Justi?brasileira de conceder asilo pol?co ao ex-ativista italiano de extrema esquerda Cesare Battisti. O presidente Luiz In?o Lula da Silva determinou no in?o da semana ao ministro da Justi? Tarso Genro, que aprovasse ref? a Battisti, um dos chefes da organiza? de extrema-esquerda Prolet?os Armados pelo Comunismo (PAC). Condenado ?ris?perp?a por quatro assassinatos ocorridos no final da d?da de 1970, o italiano foi preso e fugiu, refugiando-se na Fran?e na Am?ca Latina. Ap? conversa entre Lula e Genro, o chefe da pasta da Justi?confirmou a decis?de conceder asilo ao italiano. A iniciativa, confirmada nesta ter?feira pelo Minist?o da Justi? teve por base o argumento de fundado temor de persegui?. O embaixador foi convocado pelo secret?o-geral do Minist?o italiano, Giampiero Massolo, por instru? do chanceler Franco Frattini. Em nota, o governo da It?a afirmou ter ressaltado, junto ao diplomata brasileiro, a un?me indigna? de todas as for? pol?cas parlamentares do pa?ante a decis? assim como da opini?p?ca e dos familiares das v?mas dos crimes atribu?s a Battisti. Em nome das autoridades de seu pa? Massolo manifestou surpresa e amargura e reiterou um firme chamado ?autoridades brasileiras para que, em respeito aos procedimentos internos italianos, a decis?possa ser reconsiderada. No texto, a Chancelaria define Battisti como um terrorista respons?l por grav?imos crimes que nada t?a ver com o status de refugiado pol?co. A It?a faz um apelo ao presidente Lula para que reveja todas as iniciativas que podem promover, no quadro da coopera? judici?a internacional na luta contra o terrorismo, uma revis?da decis?judici?a adotada, diz a nota. Com a confirma? do despacho de Tarso Genro, o Supremo Tribunal Federal (STF), que analisava pedido de extradi? formulado pelo governo da It?a, deve determinar a liberdade do suposto terrorista nos pr?os dias. Em novembro do ano passado, o Comit?acional para os Refugiados (Conare), vinculado ao Minist?o da Justi? havia negado pedido de ref? ao militante de esquerda. Com informa?s da AFP e da Ansa Reda? Terra

VideVersus

15/01/2009
Marcial Congo, chefete hist?o do MST brasileiro, ? bra?direito e seguran?do presidente do Paraguai, o bispo esquerdista Fernando Lugo. Ele n??m personagem qualquer. Apresenta-se como secret?o particular do presidente. N?fala nunca com a imprensa. Quando fala – muito poucas vezes – diz que daria a pr?a vida pela de Lugo. Marcial Congo n?veste terno e gravata, desfila sempre em mangas de camisa. Prefere as sand?as de couro aos sapatos. Tem especial apre?por jaquetas, porque servem para ocultar um pistola 45 que carrega na cintura. No ?mo dia 5 de dezembro, em visita ?apital paraguaia, uma comitiva de deputados brasileiros foi a Mburuvicha Roga, a casa oficial do presidente. O encontro fora solicitado por Eduardo Santos, embaixador do Brasil em Assun?. Antes de chegar a Lugo, a delega? brasileira enfrentou a sombra dele. O secret?o particular do presidente paraguaio trazia na m?esquerda um walkie-talkie. Vestia camisa de manga curta. A aus?ia da jaqueta franqueou aos presentes a imagem da pistola (calibre 45) grudada na cinta. Arrastando as sand?as, Congo encurtou a dist?ia que o separava de um dos visitantes brasileiros, o deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE). Lembra-se de mim, ministro? Jungmann p?e a perscrutar a fisionomia do interlocutor. Os dentes pronunciados. Os ?os de aro circular. Os longos fios de cabelo, reunidos num rabo de cavalo, calva frontal. Jungmann n?se lembrava. Ent?o interlocutor o ajudou: Marcial, do MST. Ex-ministro da Reforma Agr?a no governo de Fernando Henrique Cardoso, Jungmann recordou. Congo se tornou conhecido dos paraguaios h?0 anos, como corredor de maratonas. E nessa ?ca, em que corria, se meteu em um semin?o cat?o da ordem dos Franciscanos. Emigrou para o Brasil j?a condi? de ex-padre. Ai est?ais uma comprova? da exist?ia e da a? internacionalizada dos terroristas do MST. http://www.videversus.com.br/index.asp?

Infelizmente não sou louco de dar o nome dele

14/01/2009
.... Existem duas Cubas: a dos produtos b?cos e de m?ualidade vendidos de forma controlada nos armaz? estatais em pesos cubanos, e a dos supermercados e lojas que se parecem com os de pa?s capitalistas, que s?eitam CUCs, a moeda forte que equivale a 25 pesos e a US$ 1,25, que os turistas trazem nos bolsos, e uma minoria de cubanos recebe em pequenas quantidades como b? salarial ou na forma de gorjetas dos estrangeiros. S?m CUCs ?oss?l comprar produtos de higiene, roupas, cal?os e alimentos como carne e iogurte, que t?pre? equivalentes aos do Brasil, ou at?ais caros. Em m?a, a cota de produtos como arroz, leite, ovos e macarr?vendida nos armaz? estatais d?ara o consumo de uma quinzena. No restante do m? e para os outros produtos, os cubanos precisam dar um jeito de conseguir CUCs para se abastecer. Alguns recebem dinheiro de parentes do exterior. Outros trabalham no vasto mercado de produtos contrabandeados e roubados das empresas estatais. Em seu discurso de encerramento do ano legislativo, no s?do, o presidente Ra?astro anunciou a elimina? de est?los dados aos trabalhadores, sem deixar claro se se referia tamb?aos b? em CUCs. Queria saber do que ele est?alando, disse uma arquiteta de 25 anos, que recebe 375 pesos (US$ 18,75) de sal?o e 10 CUCs (US$ 8) de est?lo. Como assim? Vai nos asfixiar? Quer tirar de onde? AJUDA Em geral, o governo paga est?los em CUCs para trabalhadores que t?contato com turistas, como os de hot?, restaurantes e t?s que s?pagos em CUCs, mas recebem sal?os em pesos, e para funcion?os que podem se corromper ou desviar materiais do Estado. Um gar?, por exemplo, recebe 275 pesos (US$ 13,75) de sal?o e 10 CUCs (US$ 8) de incentivo. Isso exclui m?cos, professores e aposentados, por exemplo. Um professor do ensino b?co e m?o ganha 350 pesos (US$ 17,50); da universidade, 450 (US$ 22,50). A aposentadoria gira entre 225 e 300 pesos (US$ 11,25 e US$ 15). Sem a ajuda que nossos filhos nos mandam da Espanha, nosso or?ento iria para o ch? dizem um ex-diretor de empresas estatais e uma ge?a, ambos aposentados. Meu marido mora na Espanha, explica a cl?ca geral de um posto de sa? que ganha 573 pesos (US$ 28,65). Os outros, n?sei como sobrevivem. Um ginecologista de 59 anos, professor universit?o, mostra a sua carteira: ele recebeu o seu sal?o de 650 pesos (US$ 32,50) no dia 20, e j??lhe resta moeda nacional na carteira. O m?co pagou 400 pesos (US$ 20) num pernil e o resto em legumes para a ceia de ano novo. Ele deveria ficar no hospital onde trabalha das 8 horas ?16 horas, mas atende rapidamente suas pacientes e estaciona seu Lada Moscovitch ano 87 por volta de 11 horas em frente a uma galeria de butiques elegantes, ?spera de passageiros. Militante do Partido Comunista desde 1977, com a prestigiada carteira vermelha, o ginecologista ganha a vida como taxista clandestino. A medicina ?eu hobby e o t? ?eu trabalho, diz ele. No fim da tarde de ter?feira, o m?co tinha conseguido fazer duas viagens e ganhar 5 CUCs (US$ 6,25). O ponto clandestino onde trabalha desde 1995 equivale a uma junta m?ca: h?m ortopedista, um dermatologista, um estomatologista e um cl?co geral, al?de um engenheiro e um psic?o desportivo. Aqui, n?ganho muito dinheiro, mas pelo menos tenho esperan? diz o m?co. L?o hospital, n?tenho sequer esperan?

Ricardo Bergamini

14/01/2009
Levantamento Sistem?co da Produ? Agr?la – Fonte IBGE Base: Dezembro de 2008 Previs?para 2009 ?e uma safra de cereais, leguminosas e oleaginosas 5,9% menor que a do ano passado, embora a ?a plantada deva crescer 0,8%. Com as informa?s de dezembro ?mo, para 2008 o IBGE divulga uma produ? nacional de 145,8 milh?de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas, 9,5% maior que a de 2007, enquanto a ?a colhida (47,2 milh?de hectares) cresceu 4,1% no per?o. Em dezembro, o terceiro progn?co para a safra de 2009 estimou uma produ? de cereais, leguminosas e oleaginosas de 137,3 milh?de toneladas, 5,9% menor que a obtida em 2008, e a ?a a ser colhida dever?er de 47,6 milh?de hectares, 0,8% superior ?e 2008 (47,2 milh?de hectares). Os dados do terceiro progn?co para 2009 s?compostos por 77,3% de observa?s de campo e 22,7% de proje?s. Os valores levantados nas regi?Sudeste, Sul, Centro-Oeste e nos estados de Rond?, Maranh? Piau? Bahia foram somados ?proje?s obtidas a partir das informa?s de anos anteriores para as Unidades da Federa? que, por for?do calend?o agr?la, ainda n?disp?das primeiras estimativas. Entre os produtos investigados, seis apresentam alta em rela? ?rea colhida em 2008: arroz em casca (0,8%), cebola (2,2%), feij?em gr?1ª safra (14,6%), fumo em folha (2,5%), mandioca (0,3%) e soja em gr?(0,4%). Com varia? negativa, algod?herb?o em caro?(13,6%), amendoim em casca 1ª safra (3,0%), batata-inglesa 1ª safra (6,9%), caf?m gr?(2,6%) e o milho em gr?1ª safra (1,0%). Espera-se altas na produ? de arroz em casca (0,5%),cebola (3,9%), feij?em gr?1ª safra (13,9%) e mandioca (0,7%). Com varia? negativa: algod?herb?o em caro?(15,1%), amendoim em casca 1ª safra (7,0%), batata-inglesa 1ª safra (9,8%), caf?m gr?(16,2%), fumo em folha (4,3%), milho em gr?1ª safra (11,9%) e soja em gr?(1,9%). O terceiro progn?co da produ? de algod?em caro??e 3,4 milh?de toneladas, contra 4,0 milh?de toneladas obtidas em 2008 (-15,1%). Conforme observado em relat?s anteriores, a redu? na produ? ocorreu, principalmente, pela diminui? da ?a plantada, em face dos altos custos de produ?, dificuldades de financiamentos e das baixas cota?s da pluma. Todas as Unidades da Federa? registram decl?o no cultivo, sendo que o Mato Grosso, principal produtor (48,9% da produ? nacional), reduziu em 20,9% a ?a a ser colhida e em 20,4% a produ? esperada. Para a safra 2009, a produ? esperada de arroz ?e 12,2 milh?de toneladas, superior em 0,5% ?btida em 2008. Este ganho se deve, especialmente, ao Rio Grande do Sul, principal produtor, que mostra um incremento de 2,7% na produ? esperada e 2,6% na ?a. O Mato Grosso, principal estado produtor de arroz no Centro-Oeste, apresenta um incremento na ?a de 1,4%. Tal fato ?ecorrente das atuais boas cota?s do produto e oportunidades de exporta? recentemente verificadas. Al?disso, o arroz tem custo de produ? inferior ao da soja, conta com variedades produtivas adaptadas ao cultivo de sequeiro e as condi?s meteorol?as se apresentam favor?is. Em Santa Catarina registram-se perdas de 1,7%, com as chuvas excessivas (com enchentes, alagamentos e desmoronamentos) nas microrregi?de Joinville, Blumenau, Itaja? Jaragu?o Sul. Esses dados dever?ser revistos nos pr?os levantamentos. Para a produ? nacional de feij?1ª safra em 2009, os levantamentos realizados em dezembro apontam para uma produ? de 1,8 milh?de toneladas, superando em 13,9% a alcan?a em 2008 (1,6 milh?de toneladas). Comparativamente ao progn?co anterior, a estimativa caiu 6,9% e novas informa?s dos tr?estados sulinos indicam que a estiagem na regi?oeste e as chuvas excessivas no litoral determinaram esta redu?. Com rela? ao milho 1ª safra, espera-se uma produ? de 35,2 milh?de toneladas, inferior em 11,9% ?bservada em 2008, devido ?etra? na ?a total plantada (3,2%), como tamb? a menor expectativa de rendimento (11,0%), passando de 4.244 kg/ha para 3.779 kg/ha. A exemplo do ocorrido com o feij? a estiagem causou preju?s nos principais p? produtores. Os elevados custos de produ?, a baixa cota? do produto e os estoques existentes tamb?contribu?m para uma menor ?a cultivada. O terceiro progn?co de soja amplia a tend?ia de queda do produto. Para 2009, a produ? esperada de 58,8 milh?de toneladas cair?,9% em rela? a 2008. A ?a a ser colhida (21,4 milh?de hectares) crescer?,4%, enquanto o rendimento (2.753 kg/ha) cair?,3%. Frente ao progn?co anterior, houve uma redu? de 1,7% na produ?, em face das perdas no Paran?-7,5%), Santa Catarina (-3,0%) e Mato Grosso do Sul (-3,7%). Para os gr?, de uma maneira geral, na Regi?Sul, as condi?s clim?cas, com a falta de chuvas, provocaram a diminui? da produ? esperada. Contribuiu para esta queda a menor utiliza? de fertilizantes. O primeiro progn?co do IBGE para a safra nacional de caf? de 2.353.448 t ou 39,2 milh?de sacas de 60 Kg. A ?a total ocupada com a cultura ser?e 2.383.846 ha e a ?a a ser colhida, 2.164.643 ha. Nesta estimativa, as duas esp?es (ar?ca e canephora) est?consideradas em conjunto. O Esp?to Santo, segundo maior produtor de caf?o Pa? tem cerca de 70% de caf?a esp?e canephora e apenas 30% da esp?e ar?ca. Em Minas Gerais, maior produtor, quase 100% do caf? ar?ca. Em 2008 o Brasil colheu 2.809.379 t ou 46,8 milh?de sacas de 60 kg. Para 2009, espera-se queda de 16,2% na produ?, mas as atuais estimativas ainda podem mudar bastante nos pr?os levantamentos. Em rela? ?afra colhida em 2008, a ?a total diminui 1,6%, a ?a a ser colhida est?eduzida em 2,6% e o principal indicativo de “ano de baixa” (produtividade) encontra-se, inicialmente, reduzido em 14,0%. O caf?lterna anos de altas e baixas produtividades, uma caracter?ica da esp?e Coffea ar?ca, a predominante no Pa? O caf?onilon, pertencente ?sp?e Coffea canephora, expressa com menor intensidade esta caracter?ica bianual devido ?ua rusticidade. No mesmo grupo est?materiais gen?cos como Robusta, Robust? Vit? e outros. As chuvas ocorridas no ?mo trimestre de 2008 certamente concorreram para propiciar tr?floradas na maioria das regi?cafeeiras do Sudeste e do Sul (Paran? No entanto, com o grande atraso verificado na colheita de 2008 (devido a problemas de estiagem em 2007), um fato pouco comum ocorreu nos cafezais: no mesmo p?e caf?a nova florada conviveu com frutos tardios de 2008. Ainda n?se pode afirmar se este fato trouxe alguma inj? ?plantas. Em 2008, produ? de cereais, leguminosas e oleaginosas atingiu 145,8 milh?de toneladas A d?ma segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produ? da ordem de 145,8 milh?de toneladas. Superior em 9,5% ?btida em 2007 (133,1 milh?de toneladas). Esse volume supera em apenas 144.012 t o previsto em novembro. O incremento verificado ?evido, principalmente, a reavalia?s das culturas de inverno, especialmente o trigo. A ?a a ser colhida (47,2 milh?de hectares) aumentou em 4,1% frente a 2007. As culturas investigadas que ocuparam as maiores ?as em 2008 foram a soja, com 21,3 milh?de hectares, o milho com 14,4 milh?de hectares e o arroz com 2,9 milh?de hectares. O somat? das safras destes tr?produtos representa 89,7% da produ? nacional estimada de gr?. Regionalmente, a estimativa de produ? de cereais, leguminosas e oleaginosas est?ssim distribu?: Regi?Sul, 61,3 milh?de toneladas; Centro-Oeste, 50,7 milh?de toneladas; Sudeste, 17,5 milh?de toneladas; Nordeste, 12,5 milh?de toneladas e Norte, 3,8 milh?de toneladas. Dentre os 25 produtos selecionados, 19 apresentam alta na estimativa de produ?, em rela? a 2007: amendoim em casca 1ª safra (38,8%), arroz em casca (9,7%), aveia em gr?(12,5%), batata-inglesa 1ª safra (0,2%), batata-inglesa 2ª safra (24,1%), batata-inglesa 3ª safra (5,6%), cacau em am?oa (5,8%), caf?m gr?(25,0%), cana-de-a?ar (19,2%), feij?em gr?2ª safra (29,6%), feij?em gr?3ª safra (5,1%), laranja (0,9 %), mamona em baga (34,5%), milho em gr?1ª safra (10,7%), milho em gr?2ª safra (19,3%), soja em gr?(3,4%), sorgo em gr?(40,0%), trigo em gr?(47,1%) e triticale em gr?(1,6%). Com varia? negativa: algod?herb?o em caro?(2,4%), amendoim em casca 2ª safra (5,2%), cebola (1,3%), cevada em gr?(0,4%), feij?em gr?1ª safra (9,9%) e mandioca (1,3%). Com rela? aos produtos cultivados na safra de ver? vale destacar que o arroz, milho e soja, principais culturas que respondem por aproximadamente 90% da produ? nacional de gr?, apresentaram desempenhos muito bons com incrementos de 9,7%, 13,3% e 3,4%, respectivamente. Salienta-se tamb? que as cota?s registraram bom n?l at? metade do ano, mas a partir do segundo semestre sofreram quedas, especialmente, devido ?rise mundial. Para o caf?dezembro marcou o final da safra de 2008. Em rela? a 2007, o destaque foi Minas Gerais, maior produtor nacional, com alta de 43,5% na produ?. Os n?os do Esp?to Santo, segundo maior produtor do pa? mostraram pequeno acr?imo de 0,1%, apesar da estiagem verificada em 2007. A falta de chuvas s?o causou resultados negativos por causa da pr?ca da irriga?, normalmente empregada na regi? Para o ar?ca, cultivado no sul do Estado, n?houve registros de preju?s. Ao contr?o, 2008 foi considerado, pelos pr?os cafeicultores, um ano excepcional para esta esp?e. Os demais estados, grandes produtores de caf?terminaram a safra confirmando acr?imos de produ?, como S?Paulo (18,2%), Rond? (27,0%), Bahia (12,6%) e Paran?49,9%). Com rela? ?rea colhida, as varia?s em rela? a 2007 s? Minas Gerais (+0,3%), Esp?to Santo (-4,1%), Bahia (+3,0%), S?Paulo (-9,3%), Rond? (-1,3%) e Paran?-0,5%). A produ? total do Pa?cresceu 25,0% em rela? a 2007. O rendimento m?o nacional sobiu 27,2%, o que evidencia a bianualidade do caf?m seu ciclo de alta. A ?a colhida chega ao final da safra com decr?imo de 1,8% em rela? a 2007. Com a reavalia? das estimativas, a produ? brasileira de cana-de-a?ar em 2008 foi da ordem de 653.181.799 toneladas, o que representou um crescimento de 19,2% em rela? a 2007, e 0,3% ao do m?anterior. A expans?da ?a plantada em 12,5%, reflexo dos novos projetos que est?sendo implantados no pa?para atender a demanda de ?ool, foi a principal respons?l pelo crescimento da produ?. Tamb? a produtividade vem crescendo nos ?mos anos com a introdu? de novas variedades e novas tecnologias. Neste ?mo levantamento do ano, S?Paulo, respons?l por 59,3% da produ? brasileira (387,5 milh?de toneladas), registrou um crescimento de 18,3% em rela? a 2007, por?inalterada frente ao m?anterior. O Estado deve destinar uma grande quantidade de cana para produ? de ?ool, com o objetivo de suprir a demanda pelo combust?l de outros pa?s e abastecer o mercado interno. Arquivos oficiais do governo est?dispon?is aos leitores.

Cláudio Humberto, em seu blog.

14/01/2009
Ap?elutar muito, o governo federal decidiu oferecer aos beneficiados do Bolsa-Fam?a a “porta de sa?” do programa: cursos de qualifica? que os prepare para o mercado e lhes assegure empregos e vida digna. Mas a iniciativa ?m fracasso: das 400 mil cartas de convite enviadas at?gora, apenas 6 mil “bolseiros” aceitaram a oferta. Os demais preferem o desemprego ou o subemprego, mas com “bolsa-esmola”.

Reuters

14/01/2009
WASHINGTON - Tr?crian? morreram e 12 pessoas ficaram feridas na ter?feira em um ataque das Farc com m?eis de fabrica? caseira e armas de longo alcance contra o quartel da pol?a de uma cidade do sudoeste da Col?a, informaram autoridades locais. Segundo a Pol?a Nacional, o ataque contra o quartel em Roberto Pay? no departamento de Nari?ocorreu quando rebeldes das For? Armadas Revolucion?as da Col?a (Farc) atiraram m?eis caseiros repletos de explosivos em dire? ao local. Os artefatos teriam se desviado e atingido resid?ias, onde se refugiavam moradores.

O Globo

14/01/2009
O ministro da Justi? Tarso Genro, autorizou nesta ter?feira (13) que o italiano Cesare Battisti seja considerado refugiado pol?co no Brasil. Battisti foi condenado na It?a a pris?perp?a, por quatro homic?os cometidos nos anos 70, quando pertencia a um grupo de extrema esquerda que praticava atos terroristas, e foi preso no Rio de Janeiro em 2007. Na decis? o ministro diz que as alega?s de Battisti de persegui? pol?ca s?v?das. Battisti est?reso em uma penitenci?a do Distrito Federal.

Rebecca Kiessling

14/01/2009
Eu fui adotada assim que nasci. Aos 18 anos soube que fui concebida a partir de um estupro brutal sob amea?de faca por um estuprador serial. Assim como a maior parte das pessoas, eu nunca pensei que o assunto do aborto estivesse relacionado ?inha vida, mas assim que recebi essa not?a percebi que esse assunto n?s?t?elacionado ?inha vida, mas est?igado ?inha pr?a exist?ia. Era como se eu pudesse ouvir os ecos de todas as pessoas que, da forma mais simp?ca poss?l, dizem: Bem, exceto nos caso de estupro... ou que dizem com veem?ia e repulsa: Especialmente nos casos de estupro!!! Existem muitas pessoas assim por a?Elas nem sequer me conhecem, mas julgam a minha vida e depressa a descartam s?la forma como fui concebida. Eu senti como se a partir daquele momento tivesse que justificar minha pr?a exist?ia, tivesse que provar ao mundo que n?deveria ter sido abortada e que eu era digna de viver. Lembro-me tamb?de me sentir como lixo por causa das pessoas que diziam que minha vida era um lixo, que eu era descart?l. Por favor, entenda que quando voc?e declara a favor do direito de decidir ou quando abre a exce? para o estupro, o que isso realmente significa ?ue voc?ode olhar nos meus olhos e me dizer eu acho que sua m?deveria ter tido a op? de abortar voc?Essa ?ma afirma? muito forte. Eu jamais diria a algu? Se eu tivesse tido a chance, voc?staria morta agora. Mas essa ? realidade com a qual eu vivo. Desafio qualquer um a dizer que n??N??omo se as pessoas dissessem: Bom, eu sou a favor de leis que d?o direito livre de abortar, menos naquela pequena fresta de oportunidade em 1968/69, para que voc?Rebecca, pudesse ter nascido. N? Essa ? realidade mais cruel desse tipo de opini?e eu posso afirmar que isso machuca e que ?ma maldade. Mas sei que muita gente n?quer se comprometer nesse assunto. Para eles, ?penas um conceito, um coment?o estereotipado que eles varrem para debaixo do tapete e esquecem. Eu realmente espero que, como uma mulher que foi concebida a partir de um estupro, eu possa ajudar a dar um rosto e uma voz a essa quest? Diversas vezes me deparei com pessoas que me confrontaram e tentaram se desvencilhar dizendo coisas do tipo: Bem, voc?eve sorte!. Pode ter certeza de que minha sobreviv?ia n?tem nada a ver com sorte. O fato de eu estar viva hoje tem a ver com as escolhas feitas pela nossa sociedade: pessoas que lutaram para que o aborto fosse ilegal em Michigan naquela ?ca — mesmo em casos de estupro —, pessoas que lutaram para proteger a minha vida e pessoas que votaram a favor da vida. Eu n?tive sorte. Fui protegida. E voc?realmente acham que nossos irm? e irm?que est?sendo abortados todos os dias simplesmente s?azarados? Apesar de minha m?biol?a ter ficado feliz em me conhecer, ela me contou que foi a duas cl?cas de aborto clandestinas e que eu quase fui abortada. Depois do estupro, a pol?a indicou um conselheiro que simplesmente disse a ela que a melhor op? era abortar. Minha m?biol?a disse que naquela ?ca n?havia centros de apoio a gr?das em risco, mas me garantiu que, se houvesse, ela teria ido at??elo menos para receber um pouco mais de orienta?. O conselheiro foi quem estabeleceu o contato entre ela e os aborteiros clandestinos. Ela disse que a cl?ca tinha a t?ca apar?ia de fundo de quintal, como a gente escuta por a?e l?la poderia ter me abortado de forma segura e legal: sangue e sujeira na mesa e por todo o ch? Essas condi?s prec?as e o fato de ser ilegal levaram-na a recuar, como acontece com a maioria das mulheres. Depois, ela entrou em contato com um aborteiro que cobrava mais. Dessa vez, ela se encontraria com algu??oite no Instituto de Arte de Detroit. Algu?iria se aproximar dela, dizer seu nome, vend?a, coloc?a no banco de tr?de um carro, lev?a e ent?me abortar... Depois iria vend?a novamente e lev?a de volta. E sabe o que eu acho mais lament?l? ?que eu sei que existe um monte de gente por a?ue me ouviria contar esses detalhes e que responderia com uma balan?a de cabe?em desaprova?: Seria terr?l se sua m?biol?a tivesse tido que passar por tudo isso para conseguir abortar voc? Isso ?ompaix?!!! Eu entendo que eles pensem que est?sendo compassivos, mas para mim parece muita frieza de cora?, n?acha? ?sobre a minha vida que eles est?falando de forma t?indiferente e n?h?ada de compaix?nesse tipo de opini? Minha m?biol?a est?em, a vida dela continuou e ela est?e saindo muito bem, mas eu teria morrido e minha vida estaria acabada. A minha apar?ia n?? mesma de quando eu tinha quatro anos de idade ou quatro dias de vida, ainda no ?o da minha m? mas ainda assim era inegavelmente eu e eu teria sido morta em um aborto brutal. De acordo com a pesquisa do Dr. David Reardon, diretor do Instituto Elliot, co-editor do livro V?mas e vitimados: falando sobre gravidez, aborto e crian? frutos de agress?sexuais, e autor do artigo Estupro, incesto e aborto: olhando al?dos mitos, a maioria das mulheres que engravidam ap?ma agress?sexual n?quer abortar e de fato fica em pior estado depois de um aborto. (http://www.afterabortion.org.) Sendo assim, a opini?da maioria das pessoas sobre aborto em casos de estupro ?undamentada em falsas premissas: 1) a v?ma de estupro quer abortar; 2) ela vai se sentir melhor depois do aborto; e 3) a vida daquela crian?n?vale o trabalho que d?ara suportar uma gravidez.. Eu espero que a minha hist? e as outras postadas nesse site ajudem a acabar com este ?mo mito. Eu queria poder dizer que minha m?biol?a n?queria me abortar, mas de fato ela foi convencida a n?faz?o. Contudo, o aspecto nojento e o palavreado sujo desse segundo aborteiro clandestino, al?do temor de sua pr?a seguran? levaram-na a recuar. Quando ela lhe contou por telefone que n?estava interessada nesse acordo arriscado, esse homem a insultou e a xingou. Para sua surpresa, ele ligou novamente no dia seguinte para tentar convenc?a a me abortar, e mais uma vez ela n?quis prosseguir com o plano e ouviu mais uma s?e de insultos. Depois disso, ela simplesmente n?podia mais prosseguir com essa id?. Minha m?biol?a j?stava entrando no segundo trimestre da gesta?, quando seria muito mais perigoso e muito mais caro me abortar. Sou muito grata por minha vida ter sido poupada, mas muitos crist? bem intencionados me diziam coisas como olha, Deus realmente quis que voc?ascesse! e outros podem dizer era mesmo pra voc?star aqui. Mas eu sei que Deus quer que toda crian?tenha a mesma oportunidade de nascer e n?posso me conformar e simplesmente dizer bem, pelo menos a minha vida foi poupada. Ou eu mereci, veja o que eu fiz com a minha vida. E os outros milh?de crian? n?mereciam? Eu n?consigo fazer isso. Voc?onsegue? Voc?onsegue simplesmente ficar a? dizer pelo menos minha m?me quis... pelo menos estou vivo... ou simplesmente sei l?Esse ?ealmente o tipo de pessoa que voc?uer ser? De cora? frio? Uma apar?ia de compaix?por fora e cora? de pedra e vazio por dentro? Voc?iz que se importa com os direitos das mulheres, mas n?est?em a?ra mim porque eu sou um lembrete de algo que voc?refere n?encarar e que voc?etesta que outros se importem? Eu n?me encaixo na sua agenda? Na faculdade de direito eu tinha colegas que me diziam coisas como se voc?ivesse sido abortada, n?estaria aqui hoje e de qualquer forma n?saberia a diferen? ent?por que se importa?. Acredite ou n? alguns dos principais fil?os pr?orto usam esse mesmo tipo de argumento: O feto n?sabe o que o atingiu, ent?n?percebe que perdeu a vida. Sendo assim, acho que se voc?sfaquear algu?pelas costas enquanto ele estiver dormindo, n?haver?roblema algum, porque ele n?saber? que o atingiu?! Eu explicava aos meus colegas como a mesma l?a deles justificaria que eu matasse voc?oje, porque voc??estaria aqui amanh? n?saberia a diferen?de qualquer forma.. Ent? por que se importar?. E eles ficavam com o queixo ca?. ?incr?l o que um pouco de l?a pode fazer, quando voc?? para pensar — que ? que devemos fazer numa faculdade de direito — e considera o que n?ealmente estamos falando: h?idas que n?est?aqui hoje porque foram abortadas. ?como o velho ditado: Se uma ?ore cai na floresta e n?h?ingu?por perto para ouvir, ser?ue faz barulho?. Olha, faz sim! E se um beb? abortado e ningu?fica sabendo, tem import?ia? A resposta ?IM! A vida dele importa. A minha vida importa. A sua vida importa e n?deixe ningu?te dizer o contr?o! O mundo ?m lugar diferente porque naquela ?ca (antes de 1973 nos EUA) era ilegal a minha m?me abortar. A sua vida ?iferente porque ela n?p?me abortar legalmente e porque voc?st?entado aqui lendo as minhas palavras hoje! Mas voc??tem que atrair plat?s pra que a sua vida tenha import?ia. H?oisas que fazem falta a todos n?qui hoje por causa das gera?s que foram abortadas e isso importa. Umas das melhores coisas que eu aprendi ?ue o estuprador NÏ ?eu criador, como algumas pessoas queriam que eu acreditasse. Meu valor e identidade n?s?determinados por eu ser o resultado de um estupro, mas por ser uma filha de Deus. O Salmo 68, 5-6 declara: Pai dos ?os... no seu templo santo Deus habita. D? Senhor um lar ao sem-fam?a. E o Salmo 27, 10 nos diz: Mesmo se pai e m?me abandonassem, o Senhor me acolheria. Eu sei que n?h?enhum estigma em ser adotado. O Novo Testamento nos diz que ?o esp?to de ado? que n?omos chamados a ser filhos de Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Sendo assim, Ele deve ter pensado na ado? como s?olo do amor dEle por n? E o mais importante ?ue eu aprendi, poderei ensinar aos meus filhos e ensino aos outros que o seu valor n??edido pelas circunst?ias da sua concep?, seus pais, seus irm?, seu parceiro, sua casa, suas roupas, sua apar?ia, seu QI, suas notas, seus ?ices, seu dinheiro, sua profiss? seus sucessos e fracassos ou pelas suas habilidades ou dificuldades. Essas s?as mentiras que s?perpetuadas na sociedade. De fato, muitos palestrantes motivacionais falam para suas plat?s que se elas fizerem algo importante e atingirem certos padr?sociais, ent?elas tamb?poder?ser algu? Mas o fato ?ue ningu?conseguiria atingir todos esses padr?rid?los e muitas pessoas falhariam. Isso significa que elas n?s?algu?ou que elas s?ningu? A verdade ?ue voc??tem que provar o seu valor a ningu?e se voc?uiser realmente saber qual ? seu valor, tudo o que precisa fazer ?lhar para a Cruz, pois este ? pre?que foi pago pela sua vida! Esse ? valor infinito que Deus colocou na sua vida! Para Ele voc?ale muito e para mim tamb? Que tal se juntar a mim para tamb?proclamar o valor dos outros com palavras e a?s? Para aqueles que dizem bem, eu n?acredito em Deus e n?acredito na B?ia, ent?sou a favor da livre escolha de abortar ou n? por favor, leia meu artigo O direito da crian?de n?ser injustamente morta – uma abordagem da filosofia do direito. Eu garanto que valer? seu tempo. Fonte: www.rebeccakiessling.com Divulga?: www.juliosevero.com