Diz o jornalista Raúl Jafet em e-mail que me enviou

Duro golpe na Direita Mundial!
A derrota de Trump FORTALECE os governos de Maduro, da Argentina, da Bolívia...
Aumentarão as manifestações no Chile e causarão a volta das esquerdas no Peru e Colômbia!
Os EUA avançarão na degradação de seus, antes sólidos, valores familiares e patrióticos.
A economia sofrerá um baque com aumento do desemprego.
A divisão do país acirrará os ânimos e grandes tumultos poderão ocorrer!
O Brasil PERDE o único Presidente americano que não nos tratou como colônia, e sim como importante aliado...
Perdemos quem nos defendia dos chacais europeus, que desejam alucinadamente saquear nossas reservas minerais, alegando defesa da Amazônia.
Teremos vetada nossa entrada na OCDE, entre outras, com o objetivo de minar o governo direitista brasileiro!
Ganha a Nova Ordem Mundial!
Maus tempos porvir!
Quem viver verá! (rauljafet)*

Comentário do editor do blog.

Mesmo que não surpreenda, é triste observar o quanto a esquerda, sabendo que torcia contra os interesses nacionais, alegrou-se com a possível vitória de Biden.
 

  • 11 Novembro 2020

EM TEXTO BRILHANTE PADRE CUBANO DESMASCARA O REGIME

Por Cubanet

"Cuba é uma grande prisão onde, se você se comporta mal, colocam-no em outra pequena"

Há cada vez mais vozes da Igreja em Cuba denunciando publicamente a situação que atravessa a Ilha.

Se há duas semanas foi Jorge Luis Pérez Soto, sacerdote da Paróquia de San Francisco de Paula, quem atacou o regime por governar em detrimento do povo, ontem foi o padre Alberto Reyes Pías, de Esmeralda, em Camagüey, que se manifestou contra as injustiças.
Em uma extensa publicação postada em seu perfil no Facebook, o religioso cubano abordou amplamente os problemas que afligem a nação.

“Cuba é uma grande prisão onde, se você se comporta mal, eles o colocam em uma menor. E como numa prisão, finalmente, nos sentimos controlados. Temos medo de dizer o que pensamos, de dizer o que queremos. Temos medo de que, de uma forma ou de outra, bloqueiem nosso estudo ou trabalho, que tornem nossa vida mais difícil do que já é. Temos medo de sermos convocados e ouvir repreensões, avisando-nos da nossa 'má conduta' ", afirmou.

O Padre assegurou que, na ilham o povo vive em escravidã, condição marcada pelo fato de “viver sem honra e sem respeito”.

“Enquanto isso, continuamos cantando nosso hino nacional e repetindo que 'viver acorrentado é viver em insultos e na vergonha afundados' ... E não é escravidão viver com medo de dizer o que você acredita e pensa? Não poder decidir sobre a própria vida e sobre a vida do nosso país? E não é escravidão viver com o horizonte de sobreviver ou sair do país? ”, questionou o pároco.

Reyes Pías também argumentou que o medo se tornou uma condição que transcende a vida cotidiana e que define a maioria dos habitantes da ilha.

“Temos medo, nascemos com medo, crescemos com medo, vivemos com medo ... Vamos entender uma vez: sempre teremos medo, e nunca faremos nada se não aprendermos a viver apesar do medo, se não agirmos de acordo com nossa consciência enquanto o medo flui por cada uma de nossas artérias ”.

Para o religioso, "o comunismo é uma grande mentira" e "Cuba é como um grande teatro, onde mentimos uns para os outros como parte de uma peça que não precisa mais ser ensaiada".

“Que somos uma potência médica: uma mentira. Que o sistema educacional é extraordinário: uma mentira. Que somos internacionalistas por pura generosidade: uma mentira. Que o National Television News mostra a realidade do povo: uma mentira. Que as manifestações de 1º de maio e 26 de julho são naturais e voluntárias: uma mentira. Que as brigadas de resposta rápida nada mais são do que a reação espontânea do povo impetuoso que defende sua Revolução: uma mentira. Que não temos presos políticos: mentira. Que em Cuba os direitos humanos sejam respeitados: uma mentira. Que não há oposição e dissidência: uma mentira. Que, como povo, apoiamos incondicionalmente o socialismo: uma mentira. Que acreditamos que o sistema eleitoral é o melhor do mundo: uma mentira. Essa vida digna da velhice está garantida: mentira. Que somos felizes aqui: mentira”, expressou o Padre.

Alberto Reyes Pías também questionou o papel da Igreja em Cuba, cujo "silêncio cúmplice" nada mais faz do que legitimar o sofrimento dos cubanos.

“Não posso deixar de dizer com dor que sofro o silêncio dos meus bispos. Não é verdade que a Igreja não falou, não é verdade, porque somos todos Igreja e muitos leigos, padres, religiosos, até mesmo alguns bispos pessoalmente ..., dissemos o que pensamos e continuamos a dizê-lo.

O sacerdote destacou que Cuba “precisa de uma mudança” e que, a julgar pelas condições políticas existentes na ilha, “só a Igreja Católica está em condições de conduzir um diálogo e propor uma transição”.

“Há muitas pessoas empurrando na direção certa, muitas pessoas comprometidas, tenazes e corajosas. Há muita gente no exterior apoiando esse povo e lutando por essa transição, mas de onde eles estão não têm o poder de provocar uma mudança interna ”, declarou.

Na mesma linha, no dia 18 de outubro, o religioso Jorge Luis Pérez Soto fez referência à imposição do poder político sobre a vontade popular em Cuba, fato que classificou como um empecilho ao "bem comum".

Durante uma leitura de tempo normal na Paróquia San Francisco de Paula, em Havana, o sacerdote destacou que “quando um governante não está disposto a renunciar, a sair do caminho pelo bem comum, pelo bem de seu povo, pelo bom da sua sociedade ... ele é um tirano ”.

*Publicado originalmente em Cubanet (02/11/2020)

**Traduzido para o língua portuguesa pelo editor do blog.
 

  • 05 Novembro 2020

OS ESTADOS SÃO UNIDOS, MAS A NAÇÃO NORTE-AMERICANA ESTÁ DIVIDIDA.

Percival Puggina

 Durante décadas se dizia, com acerto, que o alto grau de consenso na sociedade norte-americana favorecia a estabilidade do regime democrático. De um modo superficial, é verdade, mas que reflete bem essa percepção, afirmava-se que a diferença entre presidências republicanas e democratas ao longo da história consistia em pagarem os cidadãos mais ou menos impostos.

Acontece que a guerra fria cultural estava em curso também na maior democracia do planeta. De início sutil, depois explícita, ela foi tomando posições nas grandes metrópoles, as drogas foram debilitando as consciências, as relações entre pais e filhos foram se fragilizando e a transmissão dos valores e da fé foi sendo apartada de sua raiz, o “politicamente correto” foi se tornando a linguagem do beautiful people e as grandes empresas foram se alinhando aos projeto globalista e patrocinando as ações de seus companheiros de viagem da esquerda mundial.

Esse grupo chegou ao poder com Barack Obama. Teve oito anos para mostrar metade das unhas e só perdeu a terceira eleição porque houve no eleitorado norte-americano uma reação conservadora que elegeu Trump, num fenômeno que faz lembrar o ocorrido no Brasil com Bolsonaro.

Momentos políticos importantíssimos serão vividos pelos EUA nas cabines de votação da eleição presidencial. “É a eleição mais importante das nossas vidas”, disse Obama referindo-se ao pleito já em curso e que se conclui no dia 3 de novembro. Uma vitória de Joe Biden, digo eu, vai restaurar as linhas de suprimento do movimento revolucionário no Ocidente.

A situação permite avaliar com clareza a força destrutiva dessa esquerda, capaz de dividir o que parecia indivisível, o grande consenso nacional que fundou The Land of the Free, The Home of the Brave.

 

  • 31 Outubro 2020

ESTUDO DE STANFORD: BIDEN CAUSARÁ QUATRO CONSEQUÊNCIAS ECONÔMICAS DEVASTADORAS

Por Brad Polumbo

O estudo conclui que as intervenções de Biden, entre outras coisas, distorceriam os incentivos ao trabalho, diminuiriam a produtividade e destruiriam empregos.


20/10/2020


Os meios de comunicação de apoio afirmam repetidamente que a agenda fiscal do candidato democrata à presidência, Joe Biden, só prejudicaria os ricos. Mas um novo estudo mostra que a agenda tributária e regulatória de Biden pode prejudicar seriamente a economia em geral.

Quatro economistas do Hoover Institution da Stanford University analisaram as propostas de Biden para aumentar os impostos, restabelecer e expandir uma série de regulamentações e criar novos subsídios para saúde e energia renovável. O estudo conclui que essas intervenções distorcem os incentivos ao trabalho, diminuem a produtividade e matam empregos.

Como resultado, especialistas projetam que a agenda política, até 2030, levaria a 4,9 milhões de empregos a menos e a uma redução da economia de 2,6 trilhões de dólares. Da mesma forma, o estudo projeta que o consumo seria US $ 1,5 trilhão menor em 2030 e que as famílias veriam uma queda de US $ 6.500 na renda familiar média em comparação com um cenário neutro.

"O risco das políticas de Joe Biden não é que elas irão abalar imediatamente a economia", concluiu o conselho editorial do Wall Street Journal em sua análise do estudo. “O problema é que terão um impacto corrosivo de longo prazo, aumentando o custo do capital, reduzindo o incentivo para trabalhar e investir e reduzindo a produtividade em toda a economia. Os americanos pagarão o preço com um padrão de vida abaixo da média. que de outra forma eles fariam, e que eles merecem. "

É fundamental entender não só o que a agenda de Biden, que pesa muito no governo, faria à economia, mas por quê.

Os aumentos de impostos prejudicam a economia ao reduzir os incentivos ao trabalho e à produção.

"Tributar lucros é equivalente a tributar sucesso", escreveu certa vez o famoso economista do livre mercado Ludwig Von Mises. "A tributação progressiva da renda e dos lucros significa que são tributadas exatamente aquelas partes da renda que as pessoas teriam economizado e investido."

Biden prometeu aumentar o imposto corporativo para 28%. Um imposto corporativo mais alto significa menos dinheiro disponível para investimento, expansão e o novo contrato -"êxito fiscal", como Mises sabiamente chamou. Isso significa menos empregos e salários mais baixos para os trabalhadores, bem como menos ofertas (especialmente de novos produtos inovadores) e menor qualidade para os consumidores.

Portanto, embora o aumento dos impostos corporativos possa parecer algo que só prejudicaria as "grandes empresas", na realidade, os custos seriam repassados aos consumidores e trabalhadores. De acordo com a Tax Foundation, “os estudos parecem mostrar que a força de trabalho arca com entre 50 e 100% do peso do imposto de renda pessoa jurídica, sendo 70% ou mais o resultado mais provável”.

Considerando isso, não deve ser surpresa ver economistas projetando consequências econômicas negativas como resultado dos elevados aumentos de impostos de Biden.

Quando se trata de regulamentos rígidos, eles criam um fardo para a economia, impondo custos adicionais e sufocando a inovação. Quanto mais burocracia e obstáculos as empresas e empreendedores tiverem que enfrentar e cumprir, menor será a probabilidade de eles descobrirem novas ideias e seguirem em frente. Além disso, quanto mais regulamentada for uma indústria, mais difícil será para as empresas recém-criadas lidar com grandes empresas estabelecidas que podem arcar com os custos das regulamentações.

A competição reduzida significa menos inovação.

No entanto, a vantagem real deste estudo de Stanford não é que se trate de um candidato, um político ou um partido. É outro lembrete de que os mercados livres e a liberdade econômica impulsionam a prosperidade, mas as duras intervenções do governo prejudicam mais do que ajudam.

*    Brad Polumbo é um jornalista libertário-conservador e Eugene S. Thorpe Writing Fellow na Foundation for Economic Education.
**  Publicado originalmente em espanhol em https://fee.org.es/articulos/estudio-de-stanford-biden-provocar%C3%A1-4-consecuencias-econ%C3%B3micas-devastadoras/
***Tradução do editor
 

  • 23 Outubro 2020

BOLSONARO ESTAVA CERTO? O “FIQUE EM CASA” SALVOU OU CEIFOU VIDAS?
Valterlucio Bessa Campelo

Se alguém tinha dúvidas de que o “fique em casa” não estava funcionando, a campanha eleitoral encerrou o assunto. Está todo mundo na rua, ninguém mais agüenta a tranca imposta aos cidadãos por governadores e prefeitos, parte deles de índole autoritária, que em seus arreganhos esmagaram muitos dos direitos fundamentais da população. O custo econômico e social, estratosférico, se revelou insuportável. Sinal mais evidente foram as recentes declarações dos mandões da Organização Mundial de Saúde – OMS, que deram um cavalo de pau sem-vergonha e agora negam que tenham recomendado o lockdown. Os “especialistas” que macaqueavam a OMS sumiram, se escafederam, ninguém os encontra para bancarem o tranca-rua com seus títulos acadêmicos e sabedoria de récua.

Recentemente, milhares de cientistas assinaram um documento chamando atenção de governo e sociedade a respeito do equívoco monstruoso do lockdown e pedindo o retorno dos jovens à vida normal. Não há o que esperar, o modelo adotado fracassou miseravelmente.

Em matéria deste dia 12 de outubro, a VEJA traz a palavra do Dr. David Nabarro, o emissário da Organização Mundial da Saúde (OMS) para lidar com a pandemia de Covid-19, negando (vejam só!) que em algum momento tenham recomendado o lockdown. Um farsante que depois de colaborar para a quebra de economias em todo o mundo, aparece com cara de virgem da Vila Mimosa alegando inocência. A história julgará os efeitos danosos das medidas tomadas em todo o mundo, calcadas na “ciência” de araque e na autoridade da OMS.

Na entrevista, o sujeito da OMS lamenta “... parece que podemos muito bem ter uma duplicação da pobreza mundial no próximo ano. Parece que podemos ter pelo menos uma duplicação da desnutrição infantil porque as crianças não estão recebendo refeições...”. Pois é, tem isso e muito mais. Tem também muitas mortes nas costas de quem adotou como mantra o “fique em casa”. Pelo menos é o que aponta um estudo recente, publicado em preprint, pelos pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Prof. DSc, Bruno Campello de Souza e Prof. PhD, Fernando Menezes Campello de Souza (AQUI).

Com base nos 82.241 brasileiros que morreram de COVID-19 entre 12/03/2020 e 22/07/2020 e os mais de 60 milhões de usuários brasileiros de celulares cujos celulares dispositivos usaram pelo menos um dos mais de 600 aplicativos que incorporaram a API In Loco, Campello conclui: “Parece haver forte evidência empírica de que, no Brasil, a adoção de medidas restritivas que aumentam o isolamento social agravaram a pandemia naquele país em vez de mitigá-la, provavelmente como um efeito de ordem superior emergente de uma combinação de fatores”.

No gráfico abaixo, copiado do referido estudo, os pesquisadores demonstram que a partir da adoção das medidas restritivas e do “fique em casa” (linha tracejada vermelha), a curva (azul) de mortes futuras observadas (calculada em 39-40 dias) se distancia da curva de tendência (verde) prevista por extrapolação dos dados dos primeiros 44 dias da pandemia. A curva de isolamento social SII (rosa) apresentada em média móvel de 7 dias, demonstra um movimento brusco de aumento coincidente com as medidas restritivas e aos poucos vai caindo, como sabemos todos.

O saldo verificado, ou seja, a diferença entre as linhas verde e azul é de 10,5%, isso quer dizer que o numero observado de mortes supera aquele previsto pela tendência observada nos primeiros 44 dias em aproximadamente 7.824 no período. Extrapolados a hoje, são mais de 15.000 mortes.

Mais detalhes da pesquisa o leitor pode ver com o próprio autor do estudo em debate que o mesmo teve com o jornalista Alexandre Garcia e o Prof. Dr. Ricardo Zimmermann da Universidade de Brasília, no último dia 11 de outubro, (AQUI).

Acredito que muitos estudos verdadeiramente científicos - agora há base de dados suficiente, corroborarão o estudo do Professor Bruno Campello e avançarão em outros efeitos decorrentes da política de encarceramento da população. Doenças não cuidadas, prevenções não realizadas, cirurgias adiadas, doenças psíquicas, suicídios, atraso infantil, deficiências cognitivas... enfim, a academia deve se preparar para produzir milhares de artigos demonstrando que contra a peste chinesa tomamos o pior dos caminhos.

Certamente não interessa ao establishment mostrar que houve quem alertasse para o erro, que houve quem percebesse a marcha da insensatez liderada pela mídia e endossada por políticos oportunistas. Quem se opôs ao lockdown foi chamado de negacionista, até de genocida, como se não embarcar no discurso do pânico fosse atestado de estupidez. Aí está o resultado. Sem contar com o saldo pavoroso da maior crise econômica da história mundial em tempos de paz, o lockdown horizontal acompanhado do “fique em casa e volte se sentir falta de ar” ceifou milhares de vidas.

Estando correto o Prof. Bruno Campello, quem pagará essa conta? A “ciência” que não era ciência? A OMS, que agora diz que não disse o que disse? Os oportunistas da espécie Mandetta, que projetavam ascensão política sobre cadáveres? Os ladrões do COVIDÃO que se esgueiram em fuga da Justiça? A mídia fúnebre, que comemorava cada morte como um desgaste na popularidade do Presidente? Sei, ninguém pagará, mas os terraparadistas (royalties para o jornalista Guilherme Fiúza), assim como a OMS, serão obrigados a reconhecer, mesmo silenciosamente, que Jair Bolsonaro estava certo.

Valterlucio Bessa Campelo, é engenheiro agrônomo, MSc


 

  • 17 Outubro 2020

CORREIOS - UM FIO DE ESPERANÇA

Gilberto Simões Pires, em Ponto Crítico

PRIVATIZAÇÃO
Ontem, para o bem da sofrida população brasileira que precisa do serviço postal, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, entregou ao presidente Bolsonaro o tão esperado projeto de lei que cria as condições para a privatização dos Correios.

DONA DO PEDAÇO
A notícia, mesmo cercada de enorme desconfiança de que a PRIVATIZAÇÃO possa se transformar em realidade, foi muito comemorada. Esta alegria, no entanto, soou como uma forma de manifestação contra o péssimo trabalho que é prestado pelo MONOPÓLIO, cuja CORPORAÇÃO jamais escondeu a convicção de que é a DONA DO PEDAÇO, ou da ESTATAL.

OBSTÁCULOS
Como revelou o ministro Fábio Faria, o texto final será encaminhado ao Congresso somente no próximo ano, com a expectativa de que venha a ser aprovado até o final do exercício (2021). Detalhe: só depois da necessária aprovação o PROCESSO DE VENDA DA ESTATAL poderá ser iniciado. Mas, mesmo assim, com tantos obstáculos a frente, não consigo deixar de sorrir.

NOVA ORGANIZAÇÃO
Em nota publicada pelo Ministério das Comunicações, o importante Projeto de Lei estabelece a NOVA ORGANIZAÇÃO e a MANUTENÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE SERVIÇOS POSTAIS para que SEJAM EXPLORADOS EM REGIME PRIVADO, “respeitando, porém, a Constituição Federal em seu artigo 21, que estabelece à União manter o serviço postal, o que será delegado ao Operador Postal Designado no decorrer do processo de privatização dos Correios”.

ESTUDO - MODELO
Para dar andamento ao processo da tão almejada PRIVATIZAÇÃO, o BNDES já contratou a Accenture, empresa de consultoria que deverá apresentar dentro do prazo de 120 dias contratuais, o estudo que mostrará o melhor modelo a ser utilizado para a VENDA DA ESTATAL. Tal documento, tão logo concluído, será enviado ao Congresso para dar suporte ao estabelecimento de parâmetros e diretrizes da PRIVATIZAÇÃO.

QUEBRA DO MONOPÓLIO
Mesmo animado com a simples possibilidade de que o SERVIÇO POSTAL passe, enfim, a ser operado pela INCIATIVA PRIVADA, o que não gostei foi o fato de não ter sido mencionado a QUEBRA DO MONOPÓLIO. Passar a tarefa para a INICIATIVA PRIVADA e ela permanecer como MONOPÓLIO é algo condenável. O que é preciso é ABRIR O MERCADO, entregando aos CONCORRENTES o direito e a capacidade de SEDUZIR CONSUMIDORES.
 

  • 15 Outubro 2020