Tabajara Ruas será o agraciado com o Troféu Escritor do Ano na edição 2020 do Prêmio Academia Rio-Grandense de Letras. A distinção é concedida, anualmente, a um escritor ou escritora cuja obra seja reconhecida pela qualidade e amplitude, independente de gênero literário a que se dedique. A escolha do homenageado é feita por indicação e deliberação direta dos membros efetivos da Academia. A cerimônia virtual de entrega do Prêmio Rio-Grandense de Letras ocorrerá em 14 de dezembro, às 20 horas.

"Além de ter garantido a reputação dos gaúchos como senhores de uma cultura elevada, Tabajara Ruas contribui com a releitura de episódios da história sul-rio-grandense, conquistando um público que, do conhecimento dos assuntos pelos filmes baseados em sua obra, busca ampliar e aprofundar tal conhecimento pela leitura", elogia o crítico literário e poeta José Édil de Lima Alves, ocupante da Cadeira 3 da Academia Rio-Grandense de Letras.

Mais informações encontram-se no site da Academia.
 

  • Redação ARL
  • 30 Novembro 2020

LIVE COM ROBERTO RACHEWSKY

Na última 3ª feira, 24, fui o convidado da hora para conversar com o pensador Roberto Rachewsky, que de um tempo para cá se predispôs a fazer LIVES diárias (via Instagram) com o propósito de debater temas relevantes e, através do bate-papo com seus convidados, mostrar aos seus seguidores o quanto a LIBERDADE é indispensável e imprescindível para que o ESTADO, as EMPRESAS, a SOCIEDADE e, principalmente, os INDIVÍDUOS possam enfrentar e/ou obter os melhores e efetivos resultados para si e seus dependentes.

 

E-COMMERCE

Pois, num ponto da boa e longa conversa com o Rachewsky abordamos a questão da ALTA DOS PREÇOS de inúmeros PRODUTOS E SERVIÇOS que se acentuou após a deflagração da PANDEMIA, que por sua vez, por infâmia de muitos governantes estaduais e municipais, fez com que os setores INDUSTRIAL, COMERCIAL E DE SERVIÇOS suspendessem suas atividades. Ora, como milhões de CONSUMIDORES não deixaram de comprar e alguns produtos se mostraram ainda mais demandados com o -FIQUE EM CASA-, aí já era mais do que sabido que os ESTOQUES seriam insuficientes para atender a forte DEMANDA daqueles que foram às compras via E-COMMERCE para satisfazer suas vontades.

 

OFERTA E DEMANDA

Neste ponto lembrei que -PIOR DO QUE A ALTA DE PREÇOS DE QUALQUER PRODUTO OU SERVIÇO- é a inexistência dos mesmos. Neste caso, o preço de qualquer coisa é mera CONSEQUÊNCIA da sua real DISPONIBILIDADE, mesmo que futura. Ou seja, tão logo os produtores aumentem a OFERTA para atender aquilo que a DEMANDA exige, o MERCADO COMPETITIVO entra em cena, e NÃO O GOVERNO, para cuidar da formação dos preços dos produtos e serviços. Isto, como se percebe, é uma questão de LIBERDADE. De novo: LIBERDADE para PRODUZIR, VENDER E CONSUMIR.

 

O ESTADO

Vejam, agora, o que acontece com o ESTADO: o PREÇO dos SERVIÇOS PÚBLICOS não está ligado minimamente à ESCASSEZ, mas ao tamanho abissal da irredutível FOLHA DOS SERVIDORES e suas APOSENTADORIAS ALTAMENTE PRIVILEGIADAS. Em outras palavras isto significa, com todas as letras e números, que além de cobrar IMPOSTOS ELEVADOS, o ESTADO não consegue PRESTAR OS SERVIÇOS PELOS QUAIS COBRA. Aí, simplesmente, a LEI DA OFERTA E DEMANDA inexiste. O que existe é uma FRAUDE, onde o CONSUMIDOR (PAGADOR DE IMPOSTOS) PAGA E NÃO RECEBE.

 

ADENDO

Voltando ao que falamos eu e o Roberto Rachewsky, qual seja -PIOR DO QUE PREÇO ALTO É FALTA ABSOLUTA DO PRODUTO OU SERVIÇO- é importante fazer um ADENDO: - No SETOR PRIVADO não tem o menor sentido o CONSUMIDOR pagar por algo que não quer ou não vai RECEBER, independente do PREÇO fixado. Já no SETOR PÚBLICO, o CONSUMIDOR, querendo ou não, é OBRIGADO A PAGAR POR ALGO QUE, SABIDAMENTE, JAMAIS VAI RECEBER. Como se vê a falta da LIBERDADE, embora gritante, poucos percebem.

 

AÇÃO DE GRAÇAS E SEGUNDO TURNO DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Finalizo este editorial desejando a todos os leitores e familiares um FELIZ DIA DE AÇÃO DE GRAÇAS lembrando, no entanto, que não deixem de votar neste domingo. Em Porto Alegre, não esqueçam: votem na dupla SEBASTIÃO MELO / RICARDO GOMES (15). Mais: peçam a todos os seus seguidores que COMPAREÇAM ÀS URNAS. NÃO DEIXEM DE VOTAR, principalmente porque a concorrência -COMUNISTA- representa o que há de pior para a existência da LIBERDADE! 

  • Gilberto Simões Pires
  • 27 Novembro 2020

Recebo da Faro Editorial dois livros de autores chineses. Importantes e oportunos lançamentos.

Democracia ameaçada”, de Joshua Wong, se explica na capa: A liberdade de expressão em risco. E por que precisamos agir, agora. O autor é um jovem chinês de Hong Kong, que, aos 14 anos, iniciou um movimento estudantil na ex-colônia britânica restituída à China em 1997 na condição de território autônomo. Hong Kong vivera até então um clima de liberdade e se tornara extremamente desenvolvida e abastada. Em 2011, sob novas influências, aquele canto privilegiado do gigante asiático já sentia, na Educação, o peso das cartilhas comunistas e isso motivou o adolescente Joshua a organizar um grupo estudantil – Scholarism – para mobilizar a opinião pública contra as orientações do Partido Comunista Chinês na formação da juventude. O movimento ficou conhecido como a Revolução dos guarda-chuvas ensejando a chamada Primavera Asiática (2012).

O jovem Joshua acabou “hóspede” de prisões chinesas. Contudo, o valor de suas iniciativas foi reconhecido e ele destacado entre as principais figuras mundiais daquele período. Em seu livro, ele conta a história inteira, seu ativismo como adolescente, seu tempo de prisão, e faz do livro um alerta a todos os povos onde a liberdade, especialmente a liberdade de expressão, está ameaçada.

Enfim, Hong Kong, sob muitos aspectos, é um microcosmo de opressões totalitárias a que está sujeita ou de que está ameaçada parcela significativa da humanidade.

Diários de Wuhan” da conceituada escritora Fang Fang, contém o relato cotidiano das ocorrências e experiências vividas naquela província chinesa durante a quarentena lá decretada. Nas primeiras páginas encontrei um parágrafo que me reportou ao livro de Joshua. Diz a autora, referindo-se ao que viveu naqueles primeiros dias da pandemia, em seu epicentro: “Comportamentos habituais profundamente arraigados, como relatar as boas notícias e ocultar as más, impedir as pessoas de falarem a verdade, proibir o público de entender a verdadeira natureza dos eventos e expressar desdém pelas vidas individuais, levaram a represálias maciças contra nossa sociedade, males terríveis contra nosso povo (...)”.

Assim são os totalitarismos e assim são seus terríveis resultados, sempre sacrificando a liberdade, a verdade, a informação e, claro, as descartáveis vidas humanas.

 

  • Percival Puggina
  • 25 Novembro 2020

Após meses de judiciosa seleção, a Academia Rio-Grandense de Letras divulga os finalistas das seis categorias: Tese ou Dissertação, Poesia, Narrativa curta, Livro para infância, Romance e Crônica

TESE OU DISSERTAÇÃO: TROFÉU DYONÉLIO MACHADO

1. AS IRONIAS DE DYONÉLIO MACHADO EM “O LOUCO DO CATI” – JONAS KUNZLER MOREIRA DORNELLES – UFRGS
2. CONTINUIDADE E PRESENÇA: OS LIMITES IMPRECISOS ENTRE O SER E O ESPAÇO NA NARRATIVA “SATOLEP” – FÁBIO ANTÔNIO DIAS LEAL – UNIRITTER
3. PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE ANÁLIA VIERIA DO NASCIMENTO NO “ALMANAQUE DE LEMBRANÇAS LUSO-BRASILEIRO” (1871-1898) – REBECCA DEMICHELLI SAMPAIO – UCS

POESIA: TROFÉU ALCEU WAMOSY
1. APENAS POR NÓS CHORAMOS – ANNA MARIANO – PENALUX
2. ESCONDERIJO DA NUVEM – CARLOS NEJAR – CLASS
3. NENHUM AMOR IGUAL AO MEU – ÁLVARO SANTI – PATUÁ

NARRATIIVA CURTA: TROFÉU SIMÕES LOPES NETO
1. COMO SE MATA UMA ILHA – PRISCILA PASKO – ZOUK
2. DOMANDA NÍSIO – EMIR ROSSONI – TELUCAZU
3. PROSA PEQUENA – AMÍLCAR BETTEGA - ZOUK

LIVRO PARA A INFÂNCIA: TROFÉU CARLOS URBIM
1. O BAÚ DOS CONTOS DE FADAS – MARISTELA SCHEUER DEVES – LORIGRAF
2. O FANTASMA DO RELÓGIO – ATHOS BEUREN – AVEC EDITORA
3. TARRAVETA – DANIEL CASSOL E CARLA PILLA – EDIÇÃO DO AUTOR

ROMANCE: TROFÉU ALCIDES MAYA
1. BERÇO DE JUDAS – JEFERSON ASSUMÇÃO – TAVERNA
2. DOZE LIÇÕES – DANIELA KERN – CLASS
3. ILHADOS – VICTOR HUGO RODRIGUES VIANNA – CARNIVAL

CRÔNICA: TROFÉU APOLINÁRIO PORTO ALEGRE
1. A INVEJA NOSSA DE CADA DIA E OUTRAS REFLEXÕES CRÔNICAS – MARTA LEIRIA – METAMORFOSE
2. A PORTA DO CHAPÉU – CELSO GUTFREIND – CLASS
3. NAVEGADOR DE BARCO DE PAPEL – JORGE FINATTO – EDIÇÃO DO AUTOR

Visite o site da ARL em http://arl.org.br/content/index.php?link=noticias&page=finalistas-do-premio-academia-riograndense-de-letras-2020&id=313

  • 22 Novembro 2020

Boulos trabalhou para obter esse resultado. Ele é saudável e seu adversário está debilitado pela luta contra um câncer; jogando pela regra, o psolista tentou se descolar de sua imagem anterior e se repaginou; mudou o guarda-roupa, olhou a tabela e viu o eleitorado do candidato do PT, Gilmar Tatto, sem chance e pedindo socorro. Nascia ali o novo Boulos, afilhado de Lula, para restaurar a velha jogada da política paulista: um confronto entre PT e PSDB, com o eleitorado petista convergindo para o jovem barbudo que esteve ao lado de Lula no comício que antecedeu sua prisão no dia 7 de abril de 2018, Após tantos anos do mesmo dilema, o eleitor paulista médio não sabe votar fora desses dois quadrinhos. A provar isso estão os oito vereadores eleitos pelos dois partidos formando as duas maiores bancadas saídas das urnas de 2020. Os seis vereadores do PSOL são consequência da candidatura de Boulos na majoritária, que sempre atrai votos para os candidatos da eleição proporcional.

Portanto, a tentativa de viabilizar a candidatura de Celso Russomano para o segundo turno esbarrou, mais uma vez, na regra pela qual quem faz sempre a mesma coisa não pode esperar resultado diferente.

Haverá, por certo, outras leituras da realidade paulistana no pleito de domingo e eu apreciaria vê-las respeitosamente expostas aqui. A que me parece menos viável é a que imagina uma grande conspiração para fraudar a eleição. Perante qualquer evidência, registre-se B.O. na delegacia mais próxima. De hábito, porém, considero mais produtivo avaliar os erros cometidos. Após cada eleição é imprescindível identificar o trabalho não feito, as muitas omissões, as manifestações de rua e por que se despovoaram, as desistências e desesperanças, e a conduta dos isentões.

Muito raramente se tornam viáveis candidatos que não passaram, antes, por uma projeção na comunidade local que lhes permita entrarem em disputas eleitorais colhendo o que anteriormente foi plantado. Arrancar votos da colheita alheia é menos produtivo, mais difícil e oneroso.
 

  • Percival Puggina
  • 18 Novembro 2020

A criatividade dos produtos FLORENSE tem sempre encontro marcado com as edições CASACOR. Este ano, a mostra respondeu com criatividade as limitações impostas pela pandemia, criando a JANELAS CASACOR.

Em vez de se concentrar num único local, ela acontece em contêineres-vitrines distribuídos por vários pontos das cidades, refletindo o olhar de arquitetos e designers de interiores sobre os desafios do novo morar.

A Florense está presente em oito ambientes da edição de São Paulo, que iniciou domingo e se estenderá até 08 de dezembro.

A exposição pode ser vista de duas formas, ambas gratuitas: visitando os contêineres pessoalmente (cumprindo as regras de saúde, segurança e distanciamento social) ou por meio de visitas virtuais no site oficial da CASACOR (https://casacor.abril.com.br/) e procure Janelas Casacor.

Visite o site. É um passeio de criatividade, originalidade e muito bom gosto.

A grife gaúcha foi escolhida para ambientar os contêineres de João Armentano, Sig Bergamin, Léo Shehtman, Murilo Lomas, Érica Salguero, Gustavo Martins, Suíte Arquitetos e FAU+D Mackenzie Acolhe/Rodrigo Loeb. A imagem que ilustra essa nota da Florense, grife gaúcha que patrocina meu site, para muito orgulho meu, é do contêiner de Sig Bergamin.
 

  • 13 Novembro 2020