MAIS UMA EMOCIONANTE HOMENAGEM AO BRASIL E À FEB NA ITÁLIA

Discurso do prefeito de Porreta Termini

Nota do editor do blog

Porreta Terme é uma pequena comunidade italiana, em Alto Reno Terme, região de Bologna. Ali esteve instalado o Alto Comando da FEB na Itália, sob comando do Marechal Mascarenhas de Moraes. O discurso a seguir foi proferido em 22 de abril de 2018 por Giuseppe Nanni, prefeito de Alto Reno Terme. Estavam presentes autoridades brasileiras e italianas.

Palavras do prefeito de Porretta Terme:

(Saudações às autoridades presentes)

... Hoje, para nós, concretiza-se um desejo antigo: o de dedicar um lugar de memória aos filhos da FEB.

Esta nomeação não nasceu por acaso. Desde a posse do nosso Conselho, nos propusemos a meta de expressar de forma tangível, aos nossos amigos brasileiros, o nosso sincero agradecimento pelo que fizeram pela nossa liberdade, com um alto custo para jovens vidas.

Até hoje, foram inúmeras as ocasiões em que delegações de autoridades civis e militares brasileiras nos visitaram. Em um desses, eu tive que dizer literalmente:

"Ao receber o busto em memória do General MASCARENHAS DE MORAES, assumimos o compromisso solene de garantir uma localização digna: _De fato, planejamos, como parte de uma reforma geral do centro urbano de Porretta Terme, colocar o busto no jardim da Via Matteotti, reformada e embelezada para a ocasião. A escolha foi motivada pelo fato desse jardim estar totalmente inserido nos locais que sediaram a FEB em Porretta Terme, sendo adjacente ao antigo Hotel Campana e, sobretudo, a poucos passos da Termas Altas, que foi o Quartel-General das tropas brasileiras. Dessa forma, também em nossa cidade, teremos um importante ponto de referência para a memória da Força Expedicionária Brasileira e seu Comandante ".

Aqui, com exatamente estas palavras, assumi, em nome da nossa Comunidade, aquele compromisso que hoje vemos realizado e que, temos a certeza, se tornará um ponto de referência para os tantos amigos brasileiros que vêm todos os anos à Itália para visitar os lugares do sacrifício e da solidariedade com nosso povo.

A Itália deve muito a esses soldados, que de setembro de 1944 até a rendição das Forças do Eixo, lutaram ao lado dos Aliados com o objetivo de romper a Linha Gótica, e para isso operaram pela primeira vez em vários locais de Versilia, depois em Garfanhana, até que o comandante Mascarenhas de Morais transferiu suas tropas para o Vale do Reno, fixando-se aqui em Porretta Terme e preparando uma série de operações militares, que culminariam nas batalhas de Monte Castello e Montese.

Temos testemunhos extraordinários da sua presença, que nos falam de jovens bem integrados nas nossas famílias, nas quais muitos deles se instalaram, estabelecendo relações de mútua simpatia. Um caso único, se comparado a outros exércitos que permaneceram separados da população, preferindo acampamentos e locais isolados.

Acredito que se hoje, depois de tantos anos, a memória daquelas crianças ainda é tão viva e afetuosa, é também pela sua aproximação calorosa com a comunidade local, sinal de uma cultura e humanidade que está entre as marcas do povo brasileiro.

Mas os testemunhos daqueles meses também nos contam, infelizmente, de homens forçados a se deslocarem em condições proibitivas, principalmente por aquela espessa manta de neve com a qual nunca tiveram que lidar na vida, na qual tiveram que avançar e operar, não só em Porretta, mas em locais inacessíveis como as áreas de Molino del Pallone e Randaragna. E eles nos contam sobre 465 tombados, 465 jovens que nunca mais veriam seus entes queridos e sua pátria novamente.

Por isso pensamos que este pode tornar-se um jardim da memória, para manter vivo e transmitir às novas gerações o espírito de amizade e de gratidão para com aqueles que partilharam com o nosso povo uma das páginas mais trágicas da história e que estiveram do nosso lado para mudar seu curso em direção à liberdade e à democracia.

Fico feliz que uma importante associação da região, o Lions Clube, tenha participado da construção do monumento, em uma jornada que começou com o ex-presidente Lazzaroni e continuou pelo atual presidente Luca Boschi.

Agradeço mais uma vez a todos vocês, por sua participação nesta cerimônia simples, mas que ficará em nossas melhores lembranças e na identidade de nossa comunidade.”

COMENTO

Mais uma lição que nos vem de um país distante, cujas comunidades aprenderam a manter viva a lembrança de sua própria história e aproveitam as oportunidades para expressar gratidão pela liberdade que receberam. Assim procedem, mesmo que isso tenha acontecido há oito décadas, mesmo que não tenham se libertado pelas próprias forças, mesmo que os laços da servidão ao nazismo tenham sido rompidos por mãos brasileiras, e mesmo que aqui no Brasil quase ninguém se importe com isso fora do ambiente castrense.
 

  • 10 Outubro 2020

DESTA VEZ, SEM GROUXO MARX

Percival Puggina

“Estes são meus princípios, se não gosta deles, eu tenho outros”. (Grouxo Marx)

Lembrei-me desta frase do notável humorista norte-americano ao ler que Rodrigo Maia tomou a iniciativa de se desculpar publicamente com o ministro Paulo Guedes e de afirmar, literalmente:

 “Nós tínhamos que estar unidos, dentro do teto de gastos, para encontrar as soluções. As soluções para o programa de transferência de renda, que precisa ser criado, com todas as dificuldades que teremos, porque quem conhece o Orçamento primário sabe, que de onde formos tirar, terá sempre uma polêmica”.

Que os poderes de Estado se agreguem em torno de alguns princípios básicos, é bom para o país e permite, adicionalmente, uma oportunidade de explicar o que é isso a que chamamos “princípios” e observar o que nos habituamos a fazer com eles na gestão pública. Princípios são afirmações que orientam ações ou comportamentos.

A declaração de Rodrigo Maia formula um princípio: “a unidade dentro do teto de gastos”. O teto de gastos é teto de gastos, teto de vencimentos é teto de vencimentos. A lição de Grouxo Marx e a experiência nacional, infelizmente ensinam diferente: sempre haverá um outro princípio disponível, seja no Executivo, seja no Judiciário, seja no Legislativo para relegar ao esquecimento o princípio original. Ora isto, ora aquilo, sempre haverá um princípio de ocasião, de conveniência política, corporativo, de ordem judicial para cumprir essa tarefa vizinha da falência, se considerarmos a história da formação de nossa dívida pública.

Portanto, ao mesmo tempo que devemos saudar a formulação do princípio por dois lados da praça, torçamos para que não retorne a flexibilização marota de Grouxo Marx.

  • 06 Outubro 2020


GEORGE SOROS VAI FINANCIAR ESQUERDA LATINO-AMERICANA

Paulo Moura, em Dextra Jornalismo

28/09/2020

O financista George Soros, um dos maiores investidores globalistas do mundo, acaba de anunciar mais um programa de financiamento de ONGS e movimentos esquerdistas da América Latina.

O Luminate, a Open Society Foundations e a Fundação Avina, todas pertencentes a Soros, lançaram neste mês a Pulsante. A iniciativa consiste de um fundo de US$ 3 milhões (R$ 16 milhões), para financiar, entre 2020 e 2023, organizações e “movimentos sociais” no continente latino-americano.

O foco do programa é o financiamento de inciativas de defesa da ideologia de gênero, democracia e tecnologia”. O pretexto alegado para justificar o projeto é o de que seria necessário fortalecer contrapoderes, já que a democracia representativa estaria desgastada.

No site do projeto consta que a iniciativa tem por objetivo impulsionar a cidadania ativa que influencie relações de poder. Por contrapoderes, entenda-se dar “voz a setores tradicionalmente excluídos e pouco representados como donas de casa, entregadores, grupos em comunidades rurais, indígenas, entre outros”.

As inciativas selecionadas para obtenção do financiamento pelo programa receberão entre US$ 10 mil e US$ 15 mil (R$ 53 mil e R$ 79 mil).

As campanhas e mobilizações poderão solicitar apoio técnico especializado em comunicação e orientação jurídica.

Os escolhidos serão atendidos por período que pode variar de três a seis meses, sob supervisão. Mensalmente serão analisadas novas inscrições.

 

  • 01 Outubro 2020

SEQUESTRADA, DESPIDA E ESPANCADA POR DOAR ALIMENTOS E MEDICAMENTOS

Cubanet, boletim.


"Disseram-me para pensar antes de continuar a fazer a contra-revolução, porque aparentemente, ajudar os mais necessitados, para eles, é a contra-revolução"

HAVANA, Cuba.- “Disseram-me que me fariam desaparecer se continuasse com atividades contrarrevolucionárias”, disse Idelisa Diasniurka Salcedo Verdecia (Eli Salcedo) após ser libertada cerca de 5 horas após seu sequestro, esta sexta-feira, 18 de setembro, em Alquízar, Província de Artemisa.

A ativista havia sido detida na rua pela Polícia Nacional Revolucionária (PNR) quando estava prestes a entregar alguns remédios e receber outros, destinados a famílias carentes.

Segundo o narrador, a prisão foi violenta, uma mulher vestida com uniforme do PNR e dois homens vestidos de civis a algemaram e empurraram para a patrulha 7022 da Guarda Operacional; Seu celular e carteira também lhe foram tirados.

Não lhe explicaram o motivo da prisão, não lhe apresentaram um mandado de prisão nem leram seus direitos.

Na unidade policial de Alquízar, duas policiais mandaram que ela se despisse. Quando ela se recusou, bateram nela, forçando-a a fazê-lo e até agachando-se para se certificar de que ela não estava usando nada escondido em seus órgãos genitais.

Mais tarde, foi interrogada e ameaçada por um oficial da Segurança do Estado (SE) que se identificou como Oscar.

Eli, como todos a conhecem, é promotora do projeto comunitário “Casa a Casa”, através do qual são entregues alimentos e remédios a pessoas carentes da província. Para isso, criou também o grupo no Facebook Las Marianas del Presente.

Salcedo Verdecia afirma que foi liberada em poucas horas, pois os policiais estavam cientes da pressão que vinha sendo exercida nas redes sociais e na imprensa desde o momento de sua prisão.

Antes de ser libertada, apreenderam 200 CUC que, segundo ela, vinha transportando com o objetivo de comprar alimentos para um refeitório comunitário que pretende construir, para ajudar as pessoas que não têm o que comer. Também apreenderam seu celular, medicamentos e seu kit de pressão arterial.
 

  • 21 Setembro 2020

MÉDICA QUE DEFENDEU A PROSTITUIÇÃO EM REVISTA PARA ADOLESCENTES INDICADA PARA CARGO DE DESTAQUE NA ONU

 

Li em The Christian Institute

A Dra. Tlaleng Mofokeng escreveu um artigo publicado na Teen Vogue no qual encorajou as leitoras a considerarem a prostituição como um “trabalho de verdade”. Ela agora é a nova Relatora Especial das Nações Unidas para o Direito à Saúde.

Ela afirmou: “Se você apoia os direitos das mulheres, exorto-a a apoiar a demanda global pela descriminalização do trabalho sexual”.

Mito

Em resposta à notícia de sua nomeação, o co-fundador do Strike Out Slavery (derrotar a escravidão), Deidre Pujols, disse: “A ideia de que legalizar ou descriminalizar o sexo comercial reduziria seus danos é um mito persistente”.

“Os países que legalizaram ou descriminalizaram o sexo comercial muitas vezes experimentam um aumento no tráfico de pessoas, lenocínio e outros crimes relacionados”, explicou ela.

Helen Taylor, Diretora de Intervenção da Exodus Cry, acrescentou: “As Nações Unidas deveriam ser o último lugar para defender os traficantes de seres humanos e os compradores que alimentam a demanda para serem legalizados”.

*Publicado originalmente em https://www.christian.org.uk/news/doctor-who-promoted-prostitution-to-teens-appointed-to-top-un-post/
**Original do artigo em TeenVogue: https://www.teenvogue.com/story/why-sex-work-is-real-work


COMENTO

Step by Step (passo a passo) é uma receita muito útil para quem quer derrubar resistências. Crianças usam o método. Quando querem fazer alguma arte, elas vão avançando aos poucos, observando a reação dos adultos, testando os limites, até que sua ação seja finalmente impedida ou permitida.

Assim, também agem internacionalmente os movimentos e organizações cujo objetivo é destruir os valores da civilização ocidental. Tudo que é vicioso serve para isso. Não há limite nem urgência no combate às poucas virtudes remanescentes. Os militantes dessas causas têm a certeza de que um dia realizarão o que desejam. Terão derrotado seu maior adversário: o cristianismo no qual se enraíza a cultura do Ocidente.
 

  • 17 Setembro 2020

REELEIÇÃO? DE JEITO NENHUM!

Percival Puggina

Leio no site da Agência Brasil

O Senado recebeu o texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 33/2020, que permite a reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado dentro da mesma legislatura, ou seja, os quatro anos que separam uma eleição estadual de outra. Atualmente, a Constituição não permite a recondução dos membros das Mesas Diretoras da Câmara e do Senado. As eleições das Mesas Diretoras acontecem a cada dois anos.
A PEC, de autoria da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), permite a recondução por um período subsequente. Para apresentação de uma PEC no Senado, são necessárias 27 assinaturas.

 

COMENTO

Há uma geração de políticos que parece resolvida a construir sua vida pública contrariando os anseios da população. Isso é uma completa novidade para ser escrutinada numa mesa de necropsia por peritos cientistas políticos. Essa geração de políticos atua na Câmara dos Deputados, no Senado Federal, no Supremo Tribunal Federal e em setores bem próximos ao governo.

Basta que a sociedade, com justíssimas razões se mobilize contra a corrupção e passe a exigir o andamento dos processos, julgamentos e a aplicação de penas para eles decidirem deixar tudo como está e acrescentarem um retardo a mais com a presença de um juiz de garantias. Não satisfeitos, desengavetarem um crime de abuso de autoridade cujo foco é a inibição da ação dos órgãos de investigação e acusação. Basta que a sociedade queira uma Lava Toga, ou que sejam votados os impeachment de alguns ministros do STF, ou, ainda, que seja revogada PEC da Bengala, aposentando-se os ministros ao chegarem aos 70 anos, para que nada disso consiga apoio mínimo para prosperar.

Basta que a população queira maior flexibilização da posse e porte de armas, para que eles digam não. Basta que a sociedade, por imensa maioria anseie pela possiblidade de prisão após condenação em segunda instância para que eles batam pé e se recusem a aprovar a medida. E muitos foram eleitos para fazer isso! Adoram soltar bandido preso e impedir o governo de governar.

A mobilização para a reeleição de Maia e Alcolumbre se enquadra nessa perspectiva. Você, como eu e todas as torcidas do Brasileirão, quer vê-los pelas costas, destituídos dos poderes presidenciais. Pois a turma “do contra”, quer a reeleição de ambos.

A banca, porém, paga e recebe. Vamos botar pressão. Ainda há tempo!
  

  • 10 Setembro 2020