Diariamente, milhares de visitantes acessam este site em diligente busca da boa informação, da leitura de bons textos e da atenção aos vídeos que aqui ficam expostos. Há aqui, também, uma janela muito especial para a beleza. Refiro-me à beleza da produção moveleira da FLORENSE. Nascida e criada na Serra Gaúcha, na cativante Flores da Cunha, a empresa se manteve junto ao seu  berço serrano mesmo depois de conquistar eminência no mercado mundial. Ombreando ali com as melhores empresas do setor pelo altíssimo nível de qualidade alcançado, a FLORENSE e a beleza de seus produtos pode ser acessada pela janela que aqui se abre através do banner na parte superior da página.

O site Conservadores e Liberais se sente honrado por esse patrocínio.

 Mais uma vez, desde o dia 2 deste mês, a FLORENSE é destaque na CASACOR RIO. E mostra por que está entre os ícones mundiais da alta decoração. Na Casa UP, assinada pela UP 3 Arquitetura, a marca gaúcha de móveis high-end exibe cozinha, closet, armário, estante e porta divisória de suas mais recentes coleções, encantando os visitantes com a estética e o alto padrão de acabamento do mobiliário.

A Quadrante Sul Publicidade informa que a mostra está sendo realizada no icônico casarão Brando Barbosa, no Jardim Botânico, e se estenderá até 25 de abril.

 Foto: MCA/Denilson Machado

  • Percival Puggina
  • 05 Março 2021

 

Percival Puggina

             Aconteceu em São Lourenço do Sul e foi notícia no Jornal da Cidade On Line. Mais detalhes sobre a matéria, aqui.

         Neste, como em tantos outros casos não importam os detalhes. O que importa é desvendar as camadas de insensibilidade requeridas para impor um lockdown como o que foi estabelecido no Rio Grande do Sul e noutros estados da Federação.

         Camadas de insensibilidade que permitem não perceber se o estabelecimento está operando conforme as regras que eram consideradas suficientes até o dia anterior. Por exemplo: não ponderar se há fila, se os afastamentos estão mantidos, se a ventilação é adequada, se a ocupação do espaço está de acordo com os padrões sanitários, se funcionários e clientes estão mutuamente protegidos e assim por diante. É sinal de casca grossa, causa de insensibilidade, não ver que uma porta de comércio aberta é a ponta de uma cadeia de produção e que os danos de seu fechamento se expandem e multiplicam ao longo dela potencializando efeitos.

         No último sábado fui ao supermercado. Eram 17 horas e encontrei o que era previsto como consequência natural da redução de horário de funcionamento: clientes disputando espaço nos corredores, filas sem afastamento, ambiente estressado. Simples efeito da aritmética! O mesmo número de clientes com menos horas de atendimento, leva a ... (muito bem, leitor, acertou!) maior número de clientes por hora de atendimento com óbvia concentração no final do último turno.

         Quantas atividades não necessitariam ser fechadas se o prisma com que a examinam fosse invertido: o que deve ser feito para que permaneçam abertas em condições de segurança sanitária? Sem esquecer que a atividade de uma sorveteria é essencial para o sorveteiro e para os empregados com ele trabalham.

         Lockdown é solução burra para problema complexo. Enquanto não pararem de tratar da covid-19 como matéria de conteúdo político iremos  perdendo a guerra para um microscópico parasita intracelular desprovido de cérebro.

  • Percival Puggina
  • 02 Março 2021

Percival Puggina

Leio no Estadão (01/03)

Preço de matérias-primas sobe 40% e traz oportunidades para o Brasil

Apesar de a covid-19 estar ainda muito longe de ser debelada no mundo, as economias dos países, em geral, vêm se recuperando de forma razoavelmente rápida da forte queda provocada pela pandemia. A China, uma espécie de motor do mundo, é o maior exemplo disso. Um dos principais efeitos desse cenário é o aumento da demanda – e, consequentemente, dos preços – das matérias-primas. 

De abril do ano passado (o fundo do poço na pandemia) até agora, as cotações em dólar das 19 principais commodities agrícolas, metálicas e de energia haviam subido, em média, 40%, de acordo com o índice Commodity Research Bureau (CRB), indicador que é referência no comportamento das matérias-primas.

É um avanço que interessa diretamente ao Brasil, um dos maiores fornecedores mundiais de produtos importantes nessa equação – como soja, milho, carnes e minério de ferro. Ainda não está claro, entre os analistas, se o mundo caminha para um novo “superciclo” das commodities, nos moldes daquele que se iniciou na primeira década dos anos 2000 – os preços atuais ainda estão 16,1% abaixo do pico registrado pelo CRB, em 2011.

O que está evidente é que essa alta de preços abre boas perspectivas para o País. 

COMENTO

Outro dia enviaram-me um desses cards com frases de humor. Uma senhora perguntava ao médico: “Doutor, quando é que essa tal Covid vai acabar?”, e este respondia: “Não sei lhe dizer, senhora. Não entendo de política”.

A energia despendida no Brasil para fazer política seria suficiente para iluminar o país inteiro. E a quase totalidade só é usada para destruição, para convencer a sociedade de que o mal é bem e o bem é mal. De que só há um culpado para todo o mal. De que é preciso deixar tudo arruinado e corrompido, como estava, para que tudo fique bem. De que a roubalheira foi mal avaliada e mal investigada. De que os escândalos resultaram de  intrigas e mal entendidos cujas vítimas eram inocentes como os anjinhos de Rafael Sanzio.

  • Percival Puggina
  • 01 Março 2021

 

Veja como votaram os deputados de seu Estado em relação à prisão do deputado Danilo Silveira. Ele desrespeitou o próprio mandato, mas não poderia ser preso sem autorização da Câmara dos Deputados. E foi. Ao prendê-lo, o STF violou preceito inflexível da Constituição. A prerrogativa que a maioria da Câmara dos Deputados cedeu ao STF não é dela! É sua. A inviolabilidade do congressista por suas opiniões existe em respeito ao seu voto, eleitor.  Ao voto do cidadão. Existe para que seu parlamentar possa falar sem medo, possa dizer o que você não pode.  

Durante a sessão, um observador cuidadoso veria que alguns deputados já demonstravam receio de criticar o STF. Esvaziaram o próprio poder, furaram os próprios pneus  e aumentaram a arrogância dos arrogantes. Respeitaram quem não os respeitou!

É possível que órgãos de imprensa de seu estado tenham listado os votos dos deputados daí na sessão do dia 19 de fevereiro. Copie e guarde essa lista. Se não, acesse o link abaixo e anote os nomes. Veja como votaram, um por um, os deputados federais de seu estado. Guarde essa lista. Se foi eleitor de quem que se tenha posicionado a favor da manutenção da prisão, não renove esse voto em 2022.

Examine a lista aqui: https://congressoemfoco.uol.com.br/legislativo/prisao-de-daniel-silveira-veja-como-cada-deputado-votou/

  • Percival Puggina
  • 20 Favereiro 2021

Do site Templário de Maria

Em uma carta destinada ao Presidente da CNBB e o Núncio Apostólico, Dom Fernando Guimarães fez um alerta exemplar, de que o tempo da Quaresma não é espaço para se dialogar sobre temas polêmicos e contrários à autêntica doutrina de nossa Igreja. Comunicou que seus Capelães Militares não utilizarão o material da Campanha da Fraternidade deste ano, e informou que o valor da coleta será destinado aos pobres.

 

Brasília, 8 do fevereiro de 2021
Exma. e Revmo.
Dom WALMOR OLIVEIRA DE AZEVEDO – Presidente da CNBB
Brasília, DF – (C/C Nunciatura Apostólica no Brasil)
Assunto: Campanha da Fraternidade 2021
Excelência e prezado Irmão,
Com relação à Campanha da Fraternidade de 2021, em consciência, devo declarar o seguinte:

1.    O Serviço de Assistência Religiosa às Forças Armadas e Auxiliar o ecumênico em sua própria natureza e na atuação concreta junto à família militar. Os segmentos católicos, protestante o kardecista, aos quais pertence a maioria dos membros das Forças Armadas, convivem em harmonia e trabalham juntos. Nas celebrações inter-religiosas procuramos insistir sobre os valores comuns, partilhados por todos, e evitamos aqueles temas que são contraditórios ou não aceitos por todas as igrejas e denominações. O diálogo inter-religioso é necessário e oportuno somente quando, no respeito às diversas expressão de fé, é realizado em sedes competentes. A evangelização dos fiéis, no entanto, em qualquer tempo e ainda mais em um tempo especial como é a quaresma católica, não é espaço para se dialogar sobre temas polémicos e contrário à autêntica doutrina de nossa Igreja.

2.    Compete aos bispos diocesanos, como autênticos Mestres e guardiães do Depósito da Fé, garantir a ortodoxia da fé que é pregada aos seus diocesanos. Esta missão, objeto de solene juramento por parte de cada um de nós antes de nossa ordenação episcopal, compromete a minha consciência de bispo e a ela jamais poderei renunciar.

3.    Por este motivo, comunico-lhe que no Ordinário Militar do Brasil, durante a quaresma deste ano, seguiremos apenas as orientações teológico-litúrgicas próprias do tempo quaresmal e não serão utilizados quaisquer dos materiais produzidos oficialmente para a Campanha da Fraternidade deste ano. Nossos Capelães Militares estão sendo orientados, caso desejem abordar o tema da mesma, a utilizar unicamente a Fratelli Tutti do Papa Francisco.

4.    Também o percentual da coleta destinado a esta Conferência Episcopal – e repartido com outras entidades promotoras da Campanha – não será enviado e sim, real e efetivamente, empregado no socorro aos pobres, através de obra social reconhecida pelo Ordinariado Militar. Sobre este uso, será meu cuidado prestar contas posteriormente à Presidência.

Em união de oração, pela construção de uma autentica comunhão episcopal,

Dom Fernando Guimarães,
Arcebispo do Ordinário Militar do Brasil

  • Do site Templário de Maria
  • 15 Favereiro 2021

 

Percival Puggina

 

         Do que tenho lido, a indicação da deputada Bia Kicis  para o comando da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados encontra resistência nos lugares certos. Haveria algo errado se concordassem, se é que me faço entender. Eles estão sempre a postos, como faróis piratas para desviar o Brasil de sua rota. Deixe de lado esses faróis fajutos e siga em frente.

         São os mesmos comentaristas, analistas, opiniáticos e palpiteiros de todo dia, atuando em três turnos de oito horas, sete dias por semana. “Como pode ser presidente da mais importante comissão da Câmara dos Deputados uma parlamentar bolsonarista?”, perguntam com fingido espanto. Fico pensando. E pergunto aos ventos: “Será uma mulher presidindo a CCJ. Sumiram as feministas?”. Sim, responde o sábio vento. Estas só defendem as companheiras.

         Depois de tanto ouvir a mesma lengalenga fui dar uma pesquisada e, para surpresa minha, de fato, nenhuma mulher, até hoje, presidiu aquela comissão. Nenhuma! E quando surge uma, credenciada, cai sobre ela o “estigma” de bolsonarista, de extremista. Interessante é que quando o Dr. Luiz Eduardo Greenhalgh, petista, advogado do MST, extremista de fazer dó, assumiu a CCJ em 2003, no início do governo Lula, ninguém apareceu para dizer que ele não poderia fazê-lo por ser lulista, petista e extremista.

         Nada foi dito, tampouco, contra a indicação ao mesmo cargo, já na era Dilma, do famoso João Paulo Cunha, lulista e dilmista, condenado posteriormente no mensalão e indultado em 2016. Nem contra a do também petista Vicente Cândido em 2014.

         Dê a esse tipo de conduta o nome que quiser. Só não leve toda essa hipocrisia a sério porque ela desdenha de seu discernimento. Sempre que perdem, querem que tudo continue como antes.

  • Percival Puggina
  • 13 Favereiro 2021