• Megione Basseto Castro
  • 02 Maio 2015

 

 Desde a Grécia antiga se produzem sofismas, que nada mais são do que falsos raciocínios, para defender algo que é falso e assim confundir o interlocutor. Está em curso em nosso país mais um sofisma da esquerda, que se articula a partir do Foro de São Paulo, órgão internacional fundado no ano de 1990, a partir de um seminário internacional promovido pelo PT (Partido dos Trabalhadores) sob a liderança do ex-presidente Lula e Fidel Castro, ditador cubano no poder a mais de 56 anos.

A “Declaração de São Paulo” é um dos principais documentos emitidos pelo Foro de São Paulo com destaque para o trecho que segue: “Manifestamos, portanto, nossa vontade comumde renovar o pensamento de esquerda e o socialismo, de reafirmar o seu caráter emancipador, corrigir concepções errôneas, superar toda expressão de burocratismo e toda ausência de uma verdadeira democracia social e de massas”.

De forma inequívoca vemos que o objetivo do Foro de São Paulo é a implantação do socialismo na América Latina, onde se articulam inúmeros partidos políticos de diversos países latinos, dentre esses estão: PT, PCdoB, PPS, PSB, PDT, PPL e PCB, para tal fim. Mas o que tem haver Reforma Política com tudo isso? Acontece que os temas defendidos pela “Coalização pela Reforma Política e Democrática e Eleições Limpas”, que vem sendo apresentado inclusive nas paróquias católicas, é cópia das propostas do Foro de São Paulo para o avanço do socialismo no Brasil, aquela ideologia política que provocou ao menos a morte de 100 milhões de pessoas, segundo a obra “O Livro Negro do Comunismo”. (ver referências)

Mas, porque a CNBB e outras instituições “sérias e importantes para nossa sociedade” estão apoiando tal coalizão? Fato é que perguntado a qualquer cidadão se já teve a oportunidade de ler integralmente o projeto de lei de reforma política “democrática” a resposta é não, uma vez que a leitura do texto legal é complexa e desta forma se torna uma verdadeira arma para promover mudanças legislativas sob o manto da “democracia” - meros sofismas. Será que todos que assinaram ou vão assinar o projeto de reforma política “democrática” sabem que, segundo este projeto de lei, nas eleições proporcionais o partido irá definir quem são os candidatos e todos terão que votar em uma lista oferecida pelo partido, sendo que o partido que definirá quem irá representar o povo? Este é um dos aspectos que os defensores da reforma política democrática não procuram esclarecer, mas que teremos a oportunidade de debater às claras.

Como católico, finalizo dizendo aos católicos: a CNBB não faz parte da hierarquia da Igreja, portanto, nenhum Bispo, Padre ou Fiel está obrigado a obedecer a essa instituição que acumula sofismas e propaganda esquerdista há décadas e, nenhum Bispo ou Padre pode apoiar um projeto de orientação socialista sem trair os ensinamentos da Sã Doutrina Católica, devemos obedecer a Deus ou aos homens?
 

Continue lendo
  • Carlos I.S. Azambuja
  • 02 Maio 2015


A escola e o ensino, segundo os comunistas, devem ser permanentemente controlados para evitar a infiltração de resíduos e concepções burguesas. É esse o objetivo da educação marxista: formar consciências comunistas. E isso, como é obtido?

Para o marxismo, a prática tem prioridade sobre o conhecimento e é o fundamento deste. Essa é uma tese de Marx, que seus epígonos não hesitaram em manter e que é a própria base do marxismo: a primazia da praxis sobre o conhecimento, da ação sobre a doutrina e do fazer sobre o ser.

A conseqüência imediata dessa tese no ensino é a de que, para o marxismo, educar não é pôr em contato com a verdade e sim com a prática. Mao-Tsetung afirmou que uma das características do materialismo dialético "é o seu caráter prático; sublinha a independência da teoria à prática; que a prática é a base da teoria; que o critério da verdade nada mais é que a prática social".

A educação e o ensino, para o marxismo, devem realizar, na prática, a vinculação do homem ao sentido da história. A educação é necessária, seu significado e sua tarefa consistem em provocar a máxima aceleração no processo histórico e em tornar possível a transformação da consciência dos homens.
Para o marxismo, a única forma possível de educar consiste em lograr que, consciente e livremente - falamos da liberdade marxista - a educação se realize, por contradições sucessivas, na natureza e na história; a educação marxista deve ser interpretada como acomodação. A educação é uma atividade acomodadora à situação revolucionária. Educar é socializar.

Para o marxismo, o professor desempenha um papel importante, e é fundamental que o ensino esteja em mãos de mestres ideologicamente doutrinados e capacitados para acender a chispa da consciência comunista em seus alunos e, ademais, além de uma formação adequada deve ter, acima de tudo, uma consciência política. A escola e o ensino, segundo os comunistas, devem ser permanentemente controlados para evitar a infiltração de resíduos e concepções burguesas.
É esse o objetivo da educação marxista: formar consciências comunistas. E isso, como é obtido?

O procedimento varia, segundo as circunstâncias; não é o mesmo quando o partido comunista esteja no poder, ou quando ainda não tenha conseguido a tomada do poder. Quando domina a sociedade todos sabem como opera, e, no outro caso?

Em primeiro lugar devemos ter em mente que o marxismo não trata de melhorar nada, e sim fazer uma transformação total, face ao seu próprio caráter dialético. A crítica do marxismo a toda injustiça real ou a toda situação que se apresente como injusta, ou que se faça passar como tal, não tem por finalidade restabelecer a justiça ou melhorar as coisas em seu real e mais amplo sentido, e sim inserir o homem na dialética, lograr que os homens aceitem sua vinculação ao processo dialético, que é no que consiste o progresso para o marxismo.

O marxismo não se preocupa com o proletariado porque este esteja oprimido ou porque seja débil e sim na medida em que é ou pode tornar-se uma força, e quanto mais proletários existirem maior será sua força como classe revolucionária e mais próximo e possível estará o socialismo.

O objetivo confesso dos marxistas é a tomada do Poder pela classe trabalhadora. Isso, todavia, não significa que nada se possa fazer antes de o Poder passar às mãos dessa classe. A luta pela educação tem uma importância fundamental, pois sem a dedicação a essa luta não podem tomar forma e desenvolver-se os meios para tornar possível a ofensiva final, nem a ideologia que sustenta essa luta. Qualquer avanço no progresso educativo poderá vir, afinal, auxiliar o desenvolvimento da consciência de classe da classe trabalhadora.

Daí a importância e o perigo do ensino do marxismo nos centros escolares da sociedade em que este ainda não tenha assumido o poder. Perigo mais latente e real hoje, quando os ensinamentos de Gramsci, de tomada não-violenta e indolor do Poder pretende chegar ao final da história - o comunismo - por meio da conquista da sociedade civil, o que tornará possível a subseqüente conquista do Estado. Isto é, a conquista da sociedade civil como prelúdio da conquista da sociedade política. Ou seja, antes de tomar o poder é preciso conquistar a cultura, segundo a terminologia gramscista.
Exemplo clássico de derrota do marxismo por não possuir a hegemonia na sociedade civil foi a sofrida por Allende, no Chile. Daí a tática comunista adaptada à lição recebida. Uma vez conquistada a cultura, o caminho estará livre à implantação do socialismo.

Gramsci, ideólogo marxista-leninista italiano, falecido na década de 30, e seus seguidores, descartam, por esse motivo, a violência revolucionária - que, no entanto, admitem em último extremo - e dão mais importância à educação levada a cabo pelos intelectuais, considerando-a o principal fator revolucionário. Dessa forma, pretende-se evitar que a forte personalidade da sociedade civil nos países ocidentais se rebele contra um governo revolucionário, levando-o a fracassar, como ocorreu no Chile em 1971-1973.

Ainda Gramsci: "É impossível que uma luta política possa culminar em verdadeiros resultados se não vem acompanhada de uma revolução, de uma reforma intelectual e moral, se não se modifica a mentalidade das pessoas e, por conseguinte, a superestrutura da sociedade. Por isso, o problema da revolução é também um problema de educação. (...) É necessário que o fato revolucionário apareça não somente como um fenômeno de Poder, e sim, também, como um fenômeno de costume, como um fato moral, o que implica, necessariamente, numa radical transformação das mentalidades".

Daí a importância da Escola - na qual a política, a cultura e a pedagogia estão indissoluvelmente unidas - que poderá vir a cumprir, com relação aos jovens, o mesmo fim que um partido político.

Por tudo isso, ainda segundo Gramsci, "a difusão, desde um centro hegemônico - a Escola -, de um modo de pensar homogêneo, é a condição principal para a elaboração de uma consciência coletiva".

Direção, organização da cultura, centro hegemônico, modo de pensar homogêneo, consciência coletiva, escola unitária, tudo isso é destinado a impor e a lograr que se assimile a filosofia da práxis, isto é, o marxismo, pela sociedade civil.
No fundo, no fundo, nada mudou. Trata-se da instrumentalização da cultura e do ensino para atingir o objetivo visado pelo marxismo: a submissão do homem mediante a submissão da inteligência.

Volodia Valentin Teitelboim Volosky, advogado, político, escritor e intelectual, Secretário-Geral do Partido Comunista Chileno de 1988 a 1995, referiu-se a esse tema na Revista Internacional nº 1-1982: "A cultura é uma vaga e prestigiosa palavra em razão da qual, a seu juízo, os povos e as nações conservam, continuam e até superam seu passado, Porém, quem controlar a cultura e sua base imprescindível, a educação, poderá não só definir retrospectivamente o acontecido como também controlar o futuro. O amanhã se encontra nas mãos e no cérebro daqueles que estão sendo educados hoje".
 

Continue lendo
  • Hermes Rodrigues Nery
  • 01 Maio 2015

O cardeal argentino, Dom Marcelo Sánchez Sorondo, Presidente da Pontifícia Academia das Ciências, promoveu em 28 de abril, um evento sobre "mudanças climáticas", no contexto do desenvolvimento sustentável. O seminário foi promovido em parceria com a Religions for Peace e contou com a presença do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-Moon, do Cardeal Peter Turkson, Presidente do Pontifício Conselho "Justiça e Paz", e do Presidente do Equador, Rafael Correa. O diretor do Instituto da Terra da Universidade de Colúmbia, Jeffrey Sachs (defensor da Carta da Terra e dos Objetivos do Milênio da ONU), foi um dos expositores, como também a presidente da Pontifícia Academia das Ciências Sociais, Prof.ª Margaret Archer, Prof. Veerabhadran Ramanathan e Dr. William Vendley, Secretário-Geral do Religions for Peace. Também participaram do simpósio, Peter Raven, Partha Dasgupta, John Schellnhuber, Martin Rees, Y.T. Lee, Paul Crutzen, Rabbi David Rosen, Olaf Tveit, Metropolitan Emmanuel, Din Syamsuddin, Swamiji Theertha, Kosho Niwano, Jeffrey Sachs, President Rafael Correa, Hans Vestberg, Laurence Tubiana, Cardeal John Onaiyekan, Pierpaolo Donati e Stefano Zamagni. 

A presença do Religions for Peace como co-promotora do evento chamou a atenção, tendo em vista sua conhecida atuação em favor do "projeto de poder global, um projeto totalitário" - como lembra Juan Cláudio Sanahuja. Segundo ele, a organização faz parte de um movimento liderado pela ONU que visa "um domínio global pela imposição de um pensamento único - uma colonização ideológica que tem sua origem imediata no Relatório Kissinger, antecedente inspirador das conferências internacionais dos anos 90 e dos projetos de reengenharia social, que a partir delas, se põem em marcha na tentativa de construir uma nova sociedade com bases totalmente diferentes das que conhecemos, tratando de neutralizar e anular, lenta e discretamente, toda visão transcendente do homem para substituí-la por um novo sistema de valores. Por isso chamo de reengenharia social anticristã". Sanahuja ainda recorda que o Relatório Kissinger havia estabelecido "como política global que os padrões culturais dos povos, entre os quais se incluem as crenças religiosas, que tornam inviáveis as políticas de controle de natalidade, devem ser alterados".

A Religions for Peace (juntamente com tantas outras organizações alinhadas à ONU, tem trabalhado nesse sentido: por novos paradigmas religiosos, com "uma ética universal de valores relativos", "uma ética universal de vida sustentável", com "o disfarce espíritualista do ecologismo", na "tentativa de impor um dogma da nova religião sincrética universal". Por isso, o estranhamento da Religions for Peace,como entidade globalista para esses fins, que busca o esvaziamento da "própria identidade das religiões", para se chegar (com a retórica da "ética do cuidado"), ao "paradigma ecologista da nova ética ou religião universal, no qual se entrelaçam o relativismo moral, o sincretismo religioso e o panteísmo", como explica Sanahuja. No bojo disso está também, por exemplo, o propósito da ONU em "universalizar o controle obrigatório da população", para combater os pobres e não a pobreza, pois "o mandamento ecologista de controlar a natalidade para salvar o planeta" é "próprio do paradigma do desenvolvimento sustentável". Daí porque a estupefação: juntar num mesmo evento o Secretário-Geral do Religions for Peace, e o diretor do Instituto da Terra da Universidade de Colúmbia, Jeffrey Sachs, dentro do Vaticano, com a presença do Secretário-Geral da ONU, é realmente bastante preocupante, quando sabemos o que representa de nocivo à sã doutrina católica, tais organismos.

Sanahuja recorda ainda que "a visão cristã é inconciliável com o imanentismo panteísta da Carta da Terra", então é perturbadora a constatação de que Jeffrey Sachs assessora hoje o Vaticano, sabendo o que ele defende. "A Carta da Terra é um manifesto materialista - diz Sanahuja - pagão, panteísta, e que pretende fornecer uma base ética para um rígido controle da população mundial". Até hoje ressoou com grande estranhamento para os católicos do mundo inteiro, a colocação de Francisco sobre os católicos não se reproduzirem como coelhos. O fato é que o efeito daquela declaração agradou enormemente a ONU, a Steven Rockefeller, Mikhail Gorbatchev, Hans Kung e tantos outros paladinos do desenvolvimento sustentável.

Que assessoramento o Vaticano espera de Jeffrey Sachs, conhecido por defender o controle demográfico para alcançar o desenvolvimento sustentável, quando sabemos que esses tantos organismos da ONU consideram o aborto como o método mais eficaz de controle populacional? O que esperar de um evento que reúne no Vaticano o Secretário-Geral da ONU, o diretor do Instituto da Terra da Universidade de Colúmbia, o secretário-geral da Religions for Peace e o presidente do Equador, Rafael Correa, quando sabemos que está em Quito a sede da UNASUL? O que levou Rafael Correa ser o único presidente latino-americano a estar presente num evento dessa natureza?

Sanahuja conta ainda que "a organização Religions for Peace apoiou na ONU a criação da nova religião universal para 'uma nova era, a idade de ouro da harmonia e prosperidade, da paz e da justiça'." Religions for Peace e Carta da Terra estão estreitamente ligados. Daí a apreensão de estarem juntos em um encontro na Santa Sé, quando sabemos que o papa prepara com ardor sua encíclica ecológica. Religions for Peace ajudou, por exemplo, a ONU a criar a nova religião universal, cujo texto "mistura passagens bíblicas de Isaías, as profecias de Zoroastro, as promessas do Alcorão, a visão Sikh, a Doutrina Jain e as teorias de Confúcio e do budismo; o taoísmo, o Bhagavad-Gita, o xintoísmo, o Bahá'i e religião Sioux: é a consagração internacional do sincretismo religioso", afirma Sanahuja. E mais: "a organização Religions for Peace recebe financiamento, por exemplo, de Catholic Relief Services; Latin American and Caribbean Regional Offices; Maryknoll Fathers and Brothers; UN Millennium Campaign; US-AID; UNESCO;UNICEF;FNUAP;UNIFEM e PNUD".

O mais incrível em tudo isso, foi constatar que o Cardeal brasileiro Dom Raymundo Damasceno de Assis integra o Religions for Peace, como podemos ver no site da própria entidade (http://www.religionsforpeace.org/who-we-are/world-council). O fato é que um presidente do Sínodo dos Bispos de tamanha importância como o que ocorrerá em outubro próximo, é um dos moderadores da referida organização. Tudo isso realmente causa perplexidade, sem saber, afinal, o que está acontecendo.

World Council | Religions for Peace International
www.religionsforpeace.org
 

Continue lendo
  • Bruno Braga
  • 01 Maio 2015

 

Schopenhauer sentenciou: "Toda vida é sofrimento" [1]. Com algo bem parecido, São João Maria Vianney advertiu os que se consomem em lamentos: "Queiramos ou não, temos que sofrer" [2]. Afirmações tão próximas sobre a existência, contudo, disfarçam os horizontes completamente distintos que os dois contemporâneos tinham dela.

Um ateu convicto, Schopenhauer emergiu de um mergulho no sujeito com a crença de ter achado no seu interior mais profundo a revelação da essência de todos os fenômenos: o mundo é Vontade. É um querer cego, obscuro e insaciável, que faz do mundo um imenso campo de batalha, manifestando nele o caráter do seu ser. Violência, dor, miséria, tormento. Prazer e satisfação são instantes fugazes e passageiros; o sofrimento é predominante e inevitável. Todos lutam contra todos. Um conflito generalizado, que exibe a sua face mais terrível e assombrosa quando o homem se torna o lobo do homem (homo homini lupus).

Para o padre Vianney, o mundo não é expressão de um ímpeto voraz de eterno descontentamento. Ele é criação sim de um Ser onipotente, mas justo e misericordioso. O mundo e o homem são obras de Deus. Sofrimentos e dores são degraus de uma escada que leva ao Céu. É o caminho da cruz, apontado pelo próprio Deus que se fez carne: "Se alguém quer me seguir, negue-se a si mesmo e tome a sua cruz" (Mc 8, 34) - Jesus Cristo, que revelou: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida" (João 14, 6).

"Mas, que 'vida'?!" Esbravejaria Schopenhauer. Dela, todos têm a certeza da derrota definitiva, qualquer esforço é inútil diante da morte. Se é possível algum consolo durante o trajeto penoso, rumo ao abismo do qual ninguém pode se desviar, ele depende da graça de uma intuição. É quando o sujeito se reconhece como "filho" da Vontade demoníaca que o atormenta, que rege o mundo e se manifesta também naquele que padece à sua frente. Neste ato de identificação, em vez de impor mais dores e sofrimentos ao outro - de fincar os dentes na própria carne - o sujeito renuncia a afirmação da sua própria vontade, ele recolhe suas armas. Para o filósofo de Danzig, esta compreensão é o que fundamenta a justiça e gera as boas ações. É ela que alimenta os santos e guia o Cristo. Divindades e eventos extraordinários são frutos da imaginação, uma fantasia criada e disseminada pela religião - uma "metafísica popular".

No entanto, o padre Vianney foi, ele mesmo, a prova inequívoca para confirmar o que Schopenhauer pensava ser apenas superstição e crendice. Trabalho intenso, mortificações, alimentação restrita. Durante muito tempo, o santo de Ars comeu apenas batatas bolorentas. O médico que o assistia assegurou: "Em vista da sua maneira de viver, tal como a conheci, considero-lhe a existência como extraordinária e naturalmente inexplicável" [3]. Encontros com a Santíssima Virgem Maria, curas e conversões - "se não tivesse morrido, teria convertido a França inteira" [4] - a luta contra o demônio. Fé que não era uma ficção, e sim um conjunto de realizações concretas - fartamente atestadas [5] - que pavimentaram o caminho da cruz e exibiram a verdade da promessa de Jesus Cristo.

É impossível reduzir a filosofia de Schopenhauer ao tamanho de um breve artigo. Como é disparatada qualquer tentativa de sintetizar - não conceitos e teses - a vida de obras e feitos do padre Vianney. Porém, não há dúvida de que - apesar de falarem sobre o sofrimento em termos semelhantes - eles tinham perspectivas absolutamente distintas a respeito da sua consequência final. Para o filósofo alemão, o abismo. Para o santo da Igreja Católica, o sofrimento é o sinal de esperança dado pelo Filho do Homem. A cruz cravada na terra para indicar o caminho da salvação, e para anunciar que a morte não tem a palavra final.


Referências.

[1]. SCHOPENHAUER, Arthur. "O mundo como vontade e como representação". Trad. Jair Barboza. Editora UNESP: São Paulo, 2005. p. 400.

[2]. MONNIN, Alfred. "São João Maria Batista Vianney": o Cura d'Ars. Editora Petrus: São Paulo, 2013. p. 87.

[3]. TROCHU, Francis. "O Santo Cura d'Ars": São João Batista Maria Vianney. Editora Líttera Maciel: Contagem-MG, 1997. p. 368.

[4]. GUÉON, Henri. "O Cura d'Ars". Quadrante: São Paulo, 1998. p. 08.

[5]. Cf. referência [3].
    

Continue lendo
  • Milton Pires
  • 30 Abril 2015

No dia primeiro de maio de 1886, em Chicago, Estados Unidos, um grupo de sindicalistas, reformadores, anarquistas, socialistas e aquilo que hoje a história chama de “trabalhadores comuns” tomou as ruas da cidade. O movimento não era local nem regional. Em todo país lutava-se, entre outras coisas (mas principalmente) por uma jornada diária de trabalho de 8 horas. Três dias depois, na chamada Haymarket Square da mesma cidade, eclodiu um conflito entre operários e policiais que faria a confusão de ontem em Curitiba parecer bobagem.

É curioso observar, como através do tempo, muda-se o significado da História e dos seus fatos principais conforme a vontade de quem faz o discurso. Dia do Trabalhador hoje, no Brasil, passou a significar algo muito diferente daquilo que se pedia em 1886. A distância é tão grande que até mesmo a definição do evento menciona (como vocês viram acima) a presença de “trabalhadores comuns” entre os manifestantes de Chicago, não é?


Eu fico aqui pensando: quem seriam hoje, no Brasil, esses trabalhadores “comuns” e me atrevo, eu mesmo, a responder – trabalhadores “comuns” no nosso país são 99,9% dos brasileiros ! São a maioria gigantesca da nossa população que amanhã, se Deus quiser, NÃO vai estar nas ruas misturada com a ralé da esquerda brasileira...são os médicos que vão estar atendendo em emergências imundas do SUS, são policiais que vão estar trocando tiros com traficantes que trouxeram para o nosso país a cocaína das FARC, são professores que vivem com salário de fome e não cobrem o rosto para invadir a Assembleia Legislativa em Curitiba ! Eles, junto com milhões de operários, caminhoneiros, lavradores, faxineiras, garis...eles e tantos outros que começaram, desde crianças, a ajudar a sustentar suas famílias JAMAIS precisaram de sindicalistas alcoólatras, de guerrilheiras que assaltam bancos nem de padres comunistas para saber quais são, em primeiro lugar, os deveres de um trabalhador e, em decorrência deles, quais os direitos que lhes são devidos.

Não sou “getulista”. Não tenho idade para ter visto o Governo dele. Não o tenho como ídolo nem como vilão mas conheço história – foi com ele, e mais ninguém, que se construiu a luta pelos direitos dos trabalhadores nessa Nação. Getúlio Vargas pode ser acusado de qualquer coisa; menos de ter sido “comunista”. Causa nojo ver o PT apresentar-se como um partido dos “trabalhadores”. Causa espécie ver essa elite que compra deputados, que mata prefeitos, que destrói a PETROBRAS, que corrompe a nossa infância dizer-se representante daqueles que construíram e que sustentam esse país.

Soube que amanhã Dilma não vai discursar em cadeia nacional de televisão. Que ironia ! Uma presidente inventada por um sindicalista quase analfabeto, uma “combatente pela democracia” (como ela gosta de se dizer) dos anos 60 e 70 ter tanto medo de um panelaço nacional que precise limitar-se às redes sociais para dirigir-se ao Brasil. A solução que ofereço aqui é simples: dirija-se aos trabalhadores cubanos, presidente Dilma! Foi dinheiro gerado pelos brasileiros que a senhora entregou, através de empréstimos que até agora tem seus termos mantidos em segredo, para eles reformarem seus portos e aeroportos ! Cumprimente os trabalhadores da Bolívia – país cuja dívida a senhora e seus asseclas perdoaram ! Fale ao povo do Território Palestino – seu ex-ministro e traidor da profissão médica, Alexandre Padilha, empenhou-se em construir centros de tratamento e diagnóstico lá enquanto nossos pacientes morrem no chão ! Se a senhora e seus comparsas disserem que assim escrevo por pertencer a uma elite, que assim a ataco por “ser médico”, lembre-se que foram vocês petralhas que passaram a nos chamar de “trabalhadores da saúde” como todos os outros ! Encerro, pois, dizendo que aqui não é o médico nem o cidadão que a vocês se dirige agora – é o pagador de impostos, é mais um “trabalhador” brasileiro que nesse primeiro de maio tem, como a gigantesca maioria da nossa sociedade, o mesmo orgulho de ser trabalhador e, graças a escória do Partido de vocês, cada vez mais VERGONHA de ser brasileiro ! Quando a História se referir aos petistas, poderá dizer que fizeram qualquer coisa; menos trabalhar de verdade !

Porto Alegre, 30 de abril de 2015. 

Continue lendo
  • Ricardo Orlandini
  • 28 Abril 2015

(Publicado originamente em RicardoOrlandini.net)

Pela primeira vez desde que assumiu a Presidência da República, Dilma Rousseff não discursará em rede nacional de rádio e televisão no 1º de Maio, Dia do Trabalho.

E também não lembro há quanto tempo um presidente deixa de se manifestar no Dia do Trabalho.

Edinho Silva, o atual ministro da Comunicação Social, afirmou nessa segunda-feira (27) que o objetivo é usar outros "modais de comunicação" e que no 1º de Maio Dilma dialogará com a sociedade pelas redes sociais.

Segundo o ministro "A presidenta não precisa se manifestar apenas pela cadeia de televisão", acrescentando que Dilma utilizará transmissões de pronunciamentos em cadeia nacional "quando for necessário".

O ministro negou que a decisão, tomada por unanimidade na reunião realizada nesta segunda-feira, em Brasília, tenha sido resultado do panelaço promovido em várias cidades do país contra a presidente durante a transmissão do seu pronunciamento no Dia Internacional da Mulher, em março.

É sr. ministro, só esqueceram de combinar com os Russos.

Fontes palacianas dão conta de que a presidente Dilma vinha considerando seriamente não fazer nenhum discurso no Dia do Trabalho, por conta dos protestos ocorridos em suas últimas falas na TV. Dilma teria mudado de ideia e agora vai se comunicar pela internet pois, quem sabe, vai se livrar dos panelaços.

Pois é...

Nem na televisão ela pode falar sossegada!

Que povinho mal educado esse nosso, não é mesmo!

Vale lembrar que é a direita associada à mídia golpista que promove esses protestos e manifestações antidemocráticas.

Os protestos só podem ocorrer quando forem contra a direita, o FMI, FHC, o PSDB de Aécio Neves e, é lógico e claro, contra o golpista maior e chefe da CIA, Barack Obama.

O ministro enfatizou que "a presidente não teme nenhum tipo de manifestação, ela só está valorizando outro modal de comunicação.”

É ministro, eu acredito no senhor. Como também acredito em Papai Noel, Coelhinho da Pascoa, Saci Pererê e tudo o mais.

Só quem não acredita é a “maioria silenciosa” dos incrédulos brasileiros.

Mas muito cuidado, ministro.

A internet é muito traiçoeira e pode reverberar de outra maneira, muito mais contundente, muito mais barulhenta.

Então vamos ver no que vai dar!

Continue lendo