• Percival Puggina
  • 16/02/2021
  • Compartilhe:

A PATÉTICA NOTA DA CNBB SOBRE A CF ECUMÊNICA 2021

 

Percival Puggina

 

         A meu ver, as Campanhas da Fraternidade (CFs) desvirtuam a Quaresma. Já a CF Ecumênica 2021 é uma coletânea de erros. Aprendi na catequese que, ao reconhecimento do mal feito devem sobrevir, às consciências bem formadas, o arrependimento, a correção e o pedido de perdão. Não é, porém, o que faz a nota oficial (1) com que a CNBB, por seu presidente, pretendeu explicar o inexplicável. Ao reconhecer que algumas das afirmações do texto-base “têm causado insegurança e perplexidade”, ela sinaliza a percepção de haver convalidado algo equivocado. Essa consciência do erro cometido fica bem nítida, pouco adiante, quando reassegura a validade da doutrina católica sobre temas que o documento contradiz.

         Seria inútil continuar calcando no já foi repisado em tantas manifestações havidas nos últimos dias nos ambientes católicos de todo o país. A CNBB sabe que errou, mas orgulhosamente sustenta o erro e, com a nota oficial, dá por explicado o inexplicável. O que me faz considerar patética a manifestação da entidade é o fato de ela adotar, como epígrafe, uma citação da 1ª Epístola de São Paulo aos Tessalonicenses: “Não apagueis o Espírito, não desprezais (sic) as profecias, mas examinai tudo e guardai o que for bom” (1 Ts 5,21). Apesar de o texto do Apóstolo ter sido maltratado com conjugação verbal errada, entende-se o sentido da frase. E também se entende o motivo da supressão do versículo que a segue: “Guardai-vos de toda espécie de mal”.

         Estará cumprindo seu dever pastoral uma conferência episcopal que aprova, imprime e vende aos fieis dos mais variados níveis de formação e compreensão um texto que ela mesma reconhece conter erros? O que isso tem a ver com guardar os fieis de toda espécie de mal? Que tipo de argumento é esse que pretende assemelhar equívocos do texto-base a “profecias” que não devem ser desprezadas, mas “examinadas”? Isso é patético!

         A simples correção fraterna que não corrige, como vem sendo feita há tanto tempo em Assembleias Gerais da CNBB, recomenda outras providências, que não me cabe sequer sugerir. No entanto, a caridade entre os irmãos não pode fechar olhos aos danos causados à missão da Igreja como “mãe e mestra, perita em humanidade” num país que tanto necessita da ação de seu clero. A imprudência pastoral tem um custo espiritual muito elevado para ser negligenciado.

         Que esta Quaresma em tempos de quarentena nos conduza para a revisão de vida, a penitência e a oração, na companhia amorosa de Maria Santíssima, Mater Dolorosa de todas as Quaresmas.

(1)  https://www.cnbb.org.br/presidencia-da-cnbb-divulga-nota-sobre-a-campanha-da-fraternidade-ecumenica-2021/

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.


Vitorio Perozzo -   22/02/2021 09:45:38

NÃO VOU ESVREVER NADA ,POR QUE CONCORDO COM TUDO QUE FOI DITO NOS COMENTÁRIOS ANTERIORES SOBRE CNBB E O PAPA COMUNISTA

FERNANDO A O PRIETO -   18/02/2021 05:41:03

Evidentemente, ao me referir a "triste, triste texto", eu estava mencionando o da CNBB, que é lamentável sob muitos aspectos, inclusive o da Gramática. O texto do Prof. Puggina é brilhante, como de costume. Sei que os leitores têm condições de entender isto sem esta nota, por seu nível intelectual, mas sinto-me na obrigação de escrevê-la,

FERNANDO A O PRIETO -   17/02/2021 05:30:06

Triste, triste texto! Além do desconhecimento das regras gramaticais (deveria ser "não desprezeis" e não "não desprezais") mostra que quem redigiu está mais atento às coisas políticas do que à recomendação ao arrependimento dos pecados e à penitência! Como pode um texto que se diz religioso dar tão pouca atenção à missão redentora de Jesus, sem a qual ninguém entraria no reino dos céus? A tristeza do texto não é a da contrição (esta seria saudável...) mas a da pobreza intelectual politicamente correta!

Oscar -   16/02/2021 21:58:31

Como aceitar ou acatar e mesmo crer num papa comunista e numa CNBB que segue uma cartilha sócio-boliviana grammicista num país de pessoas com uma acentuada reliogidade.

Teresa -   16/02/2021 14:09:42

Admitiu o erro mas com tantos "mas", "porém ", "contudo", "todavia", "entretanto"... Que enfraqueceu muito qualquer reconhecimento de culpa. Aliás, rejeitar o texto base e querer salvar o resto, é fazer acordo com o diabo. A fonte tá contaminada. Ponto e basta. É preciso ter a coragem de d. Henrique Soares da Costa, e sacudir a toalha suja, colocar uma limpa, restaurar a Quaresma sem teminhas de apoio, sem bengalas desnecessárias. A Quaresma é o Tema. Não somos coitadinhos incapazes de atendê-la e precisados da ajudinha pedagógica e ideológica dos amiguinhos hereges da CNBB. Que tudo que está acontecendo agora ponha fim nessas "Campanhas Inúteis de falsa fraternidade".

Menelau Santos -   16/02/2021 12:13:41

Muito bem apontado e analisado, caro Professor. Por isso, acredito, que a malversação das Sagradas Escrituras e do Santo Evangelho era punida tão rigorosamente no tempo da Inquisição. Os danos causados são imensos, pois levam o fiel ao pecado. "Ai do mundo por causa das coisas que fazem com que as pessoas me abandonem! Essas coisas têm de acontecer, mas ai do culpado!" Mateus 18:7-8.

josé nedel -   16/02/2021 11:08:48

Direto na "ferida" como sempre. A CNBB peca por soberba, maior pecado capital. A humildade que é o antídoto, não é usada por quem deve dar o exemplo maior aos católicos. Esqueço sempre as demais denominações religiosas, mas para nós católicos.