• Percival Puggina
  • 13/01/2022
  • Compartilhe:

O MUNDO DE OLHO NA ELEIÇÃO BRASILEIRA

 

Percival Puggina

 

         Você quer um candidato a presidente perfeito, assim como você? Não tem. Então, vamos falar sério.

         O mercado eleitoral para 2022 se movimenta em torno do que temos e salta aos olhos a grande responsabilidade dos conservadores brasileiros em relação às posições reavidas em 2018. É em torno delas que, desde então, a disputa se trava! Tudo mais, do mi-mi-mi ao blábláblá, das rotulagens às narrativas, gira em torno desse eixo. E o mundo, com interesse, observa.

Pense nas famílias norte-americanas, notadamente no caso iniciado pela senhora Stacy Langton, do Condado de Fairfax, na Virgínia, quando soube que uma escola local passara como temas a alunos de high school (14 a 17 anos) descrever “uma cena de sexo que você não mostraria à sua mãe” e escrever “um cenário Disney x-rated” (proibida para menores). Pense nas bibliotecas escolares (e o mesmo acontece em outros estados), que disponibilizam aos estudantes livros com cenas pornôs entre adultos e jovens.

Pondere, agora, a contestação a essas denúncias feita pelo autor de Lawn Boy, um desses livros. Entrevistado pelo Washington Post, ele respondeu:

“Penso que essas pessoas estão aterrorizadas porque estão perdendo a guerra cultural”.

E tudo começará a ficar mais claro. O fenômeno é mundial, tem inúmeras faces e frentes, multidões de agentes, muito dinheiro envolvido e inesgotáveis fontes de recursos.

Voltei a ler os discursos de Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU nos anos de 2019, 2020 e 2021. Os três foram, como de hábito, severamente criticados pela mídia nacional. No entanto, encontrei, em todos, momentos de grande coragem e fortíssimos motivos para chamar a atenção de muitos, mundo afora.

Note-se que o presidente fala à nata mais fina do “politicamente correto”. Fala a chefes de Estado e de governo, chanceleres e à alta diplomacia mundial. No que diz, em acréscimo a temas de específico interesse brasileiro, o presidente adiciona afirmações assim:

A ideologia se instalou no terreno da cultura, da educação e da mídia, dominando meios de comunicação, universidades e escolas.

A ideologia invadiu nossos lares para investir contra a célula mater de qualquer sociedade saudável, a família.

Tentam ainda destruir a inocência de nossas crianças, pervertendo até mesmo sua identidade mais básica e elementar, a biológica.

A ideologia invadiu a própria alma humana para dela expulsar Deus e a dignidade com que Ele nos revestiu. (2019)

O Brasil é um país cristão e conservador e tem na família sua base. (2020)

O Brasil tem um presidente que acredita em Deus, respeita a Constituição e seus militares, valoriza a família e deve lealdade a seu povo.

Temos a família tradicional como fundamento da civilização. E a liberdade do ser humano só se completa com a liberdade de culto e expressão.

Sempre defendi combater o vírus e o desemprego de forma simultânea e com a mesma responsabilidade. As medidas de isolamento e lockdown deixaram um legado de inflação, em especial, nos gêneros alimentícios no mundo todo. (2021)

Mesmo sendo uma das 10 maiores economias do mundo, somos responsáveis por apenas 3% da emissão de carbono. (2020)

Esta não é a Organização do Interesse Global! É a Organização das Nações Unidas. Assim deve permanecer! (2019)

Deus abençoe a todos! (2021)

Vejo aí motivos mais do que suficientes para que o presidente desperte atenções na também imensa parcela da população do Ocidente que não quer dar razão ao autor de “Lawn boy”.

Percival Puggina (77), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.

 


José Rui Sandim Benites -   15/01/2022 16:02:57

Não existe Presidente perfeito. Como bem ponderou o professor Puggina. Mas o Presidente Bolsonaro, como bem pinçou o professor no texto acima, nos discursos na ONU, tem ideias conservadoras. Outrossim, leio ideias ditas de esquerda, até para termos uma antítese do pensamento conservador. E me deparei com um título da Folha de São Paulo que diz: "Infralegalismo Autoritário". Texto longo, que passo a resumir. Obviamente, criticando o Presidente de plantão. Na SEGURANÇA, contraria o Estatuto do Desarmamento; Excludente de ilicitude, para agentes policiais, que cometerem excessos, sob a escusável do medo, surpresa ou violenta emoção. Na CULTURA, indicou nome que vão contra a cultura dos militantes. No MEIO AMBIENTE, criou audiência preliminar de conciliação, antes de aplicar multas ambientais. NA INSTITUIÇÃO DE CONTROLE E VIGILÂNCIA, substitui ou tentou substituir o Superintendente da Polícia Federal; dificuldade de aplicação de multa da Receita Federal. Não há fundamento nas frágeis articulações. Em 2005 a população no referendo rejeitou o art. 35 do Estatuto do Desarmamento que proibia o comércio de armas. A excludente de ilicitude está no Código Penal. Há indicação de cargos que é exclusivo do Presidente da República, está na Constituição Federal. Querem aplicar multas na população brasileira, embora uma carga tributária altíssima. E se dizem a favor do povo. As audiências preliminares, ocorre no Processo Civil e audiência de custódia no Processo Penal. E, para aplicação de multa ambientais, não pode ter uma audiência preliminar de conciliação. É estarrecedor o pensamento equivocado, dos que dizem ter uma capacidade de argumentação superior. Só eles tem alma. E, fico mais indignado com a redação da Folha de São Paulo, que publica tanto absurdo, e que se dizem pesquisadores. E não conhecem o básico da legislação Pátria. Pura narrativa, para chamar o Presidente de plantão de autoritário. E os fatos mostram que o autoritarismo vem de outro lado.

Marly Turque de Souza -   15/01/2022 11:28:08

Bolsonaro 22 é a única esperança atual

Marcus Mesquita -   14/01/2022 23:23:44

Excelente recuperação do posicionamento do representante máximo dos brasileiros e do Brasil, eleito democraticamente pela imensa maioria. Fato. Acompanho discursos de grandes líderes do mundo todo e em várias épocas; sem dúvida, somente pessoas com coragem e grandiosidade para tais atos. Diferentemente de diversos presidentes "estatistas" que passaram; um estadista na cadeira mais alta e, em conformidade, com o que necessita, deseja e exige o povo brasileiro. O celeiro do planeta, o pulmão da Terra, o Brasil; com o seu povo trabalhador, guerreiro, livre... que entrega seu sangue, suor e lágrimas, em quase cinco meses para manter o "glutão" Estado, a máquina estatal funcionando, não suportaria mais a corrupta esquerda alimentando-se da ingenuidade de uma nação que nasceu livre, hospitaleira, trabalhadora, humildade e agora, desperta. Curitiba, 14/01/2022. MM.

Marcos Roberto Burin -   14/01/2022 22:43:08

O Presidente Bolsonaro fala o que muitos presidentes nunca tiveram a coragem de dizer. Porque faziam parte do mesmo conluio. Obrigado Percival, por seu artigo.

Pedro -   14/01/2022 20:21:41

Temos que dar continuidade na reforma fiscal, política e privatizar todos, digo, todos as estatais!!!

Julio Dias -   14/01/2022 09:57:44

Bom dia Percival, Sou seu admirador desde que comecei a despertar do pesadelo instaurado lenta e progressivamente pela lamentável ação subversiva da Mídia de que graças a Deus estamos nos livrando pela ação abençoada de pessoas de bem como você... Parabéns por exigir de volta o nosso País!!

Maria Elza da Silva Scollo -   13/01/2022 16:53:07

O Presidente Bolsonaro é o política que salvará o Brasil das amarras da Cleptocracia, do satanismo, quiça influenciará o mundo reativando a chama dos valores judaico-cristãos, tão importante a nossa civilização.

Fernando de Albuquerque -   13/01/2022 16:41:52

Realmente um assombro este caso de apologia ao crime contra a infancia, e a Sra. Langton chegou a receber ameacas de morte por denunciar o absurdo.

Gilda Freire -   13/01/2022 13:16:32

Admiro sua lucidez e conhecimento!!!

Valterlucio -   13/01/2022 11:51:18

Muito bem lembrado, mestre. Em 2022, o inimigo é o mesmo

Luiz R. Vilela -   13/01/2022 11:22:14

É! Mas parece que o buraco é mais embaixo. O mundo todo faz coro com parcela ou a quase totalidade da mídia nacional, nas questões ecológicas e principalmente quando o assunto é a Amazônia. Foi muito pouco divulgado no Brasil, o acordo assinado pelo lula com a ONU, em que o Brasil reconheceria a independência das nações indígenas. Acontece que por algum motivo, o lula não teve a coragem de encaminhar o tal acordo ao congresso nacional, ficando este sem eficácia por enquanto. Agora o mundo todo quer o lula, e uma parte dos brasileiros também, será que imaginam que a volta do ex presidente, se concretiza de vez a internacionalização da Amazônia? A troco de nada, não haveria tantas manifestações de apoio ao "primeiro cumpanhêro". Os interesses são bastante grande e há brasileiros que serviriam para justamente entregar uma parte do pais, em nome de qualquer "grandiosidade" que os desenvolvidos do hemisfério norte queiram desenvolver para "salvar o mundo". Parece que chegamos a uma encruzilhada, se ficarmos, o bicho come. Mas se corremos, o bicho pega. Parece que nos enredaram numa rede onde talvez não mais possamos sair.

Rosana Beltrame -   13/01/2022 11:02:55

O Senhor é uma das mentes mais esclarecidas que conheci nós últimos tempos...