A morte de Eduardo Campos traz para a ribalta a figura da acreana Marina Silva. Cuidado! A fala mansa da ex-vice de Eduardo Campos não se harmoniza com a rigidez e o radicalismo de suas posições. O dever cívico de conhecê-las não se cumpre ouvindo o meigo discurso eleitoral que vem por aí. Há informações muito mais precisas e irrefutáveis na biografia da candidata.

Seu primeiro alinhamento político deu-se com filiação ao Partido Comunista Revolucionário (PRC), célula marxista-leninista albergada no PT onde militou durante uma década. Foi fundadora da CUT do Acre e lá, filiada ao PT, conseguiu o primeiro de uma série de mandatos legislativos: vereadora em Rio Branco, deputada estadual, senadora em dois mandatos consecutivos. Em 2003, no primeiro mandato de Lula, assumiu a pasta do Meio Ambiente, onde agiu como adversária do agronegócio. Sua gestão deu-lhe notoriedade internacional e conquistou ampla simpatia de organizações ambientalistas europeias que agem com fanatismo anti-progressista em todo mundo, menos na Europa...

Foram cinco anos terríveis para o desenvolvimento nacional. No ministério, Marina travava projetos de infraestrutura, impedia ou retardava empreendimentos públicos e privados, aplicava a torto e a direito um receituário avesso às usinas, aos transgênicos, ao agronegócio, principal motor do desenvolvimento nacional e responsável pela quase totalidade dos superávits de nossa balança comercial. Os pedidos de licenças ambientais empilhavam-se, relegados ao descaso. Empreendimentos eram cancelados por exaustão e desistência dos investidores. Sempre irredutível, Marina incompatibilizou-se com governadores, com os setores empresariais e com a então ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Foram cinco anos terríveis!

De um leitor, a respeito da animosidade de Marina Silva para com o agronegócio: "Ela é uma praga de gafanhotos stalinistas reunidos numa pessoa só".
 

Leia mais

O WIKIGATE

14/08/2014

 

 Chega a ser inacreditável que a rede wifi do Palácio do Planalto não exija identificação do usuário. Se o da minha casa tem senha, como pode ser totalmente liberada a rede existente na sede do governo da República? Enfim, essa é a alegação que vem sendo usada para eximir o governo de responsabilidades em relação ao conteúdo depreciativo introduzido no perfil de dois jornalista na wikipédia, a partir de um computador que usa aquela rede.

Tudo seria coisa para um sherlock de mistérios indecifráveis, não fosse o fato tão compatível com a conduta dos militantes que atuam nos altos escalões do governo. É deles que nascem os dossiês. É ali que se planejam os assassinatos de reputações. É dali que, a toda hora, surgem iniciativas para controlar a imprensa. Lei dos audiovisuais, Conselho Nacional de Jornalismo, Marco Regulatório da Imprensa, são algumas das muitas medidas que vêm sendo ensaiadas nesse sentido. Pode não ter vindo dali, mas veio dessa banda, há coisa de uns dois anos, ataque semelhante contra o perfil a meu respeito existente na Wikipédia.

O fato é que o governo e os governistas têm dificuldade de lidar com o contraditório, mesmo sendo beneficiados pelo apoio de um formidável grupo de partidos políticos que reduziu a oposição a meia dúvida de recalcitrantes, desprovidos de recursos humanos e financeiros. Isso é tão verdadeiro que, como tenho afirmado repetidas vezes, as vozes oposicionistas mais audíveis são de intelectuais, jornalistas, escritores. Pois até isso parece intolerável ao governo e provoca reações como a que atingiu perfis da wikipédia. Ademais, o governo que alega em sua defesa um pouco reconhecível zelo pela liberdade de imprensa, é fraterno aliado de tiranetes que usam inúmeros meios para restringir essa liberdade em seus países, como por exemplo (e apenas como exemplo, porque a lista é grande), na Argentina, na Venezuela, em Cuba e no Irã.
 

Leia mais

 

Na próxima semana terá início o horário eleitoral gratuito. Ele existe, na teoria, para que os candidatos possam apresentar-se ao público e tornar conhecidos suas ideias e seus programas para os cargos que disputam. Na prática, porém, ele serve para que os marqueteiros transmitam ao eleitores mensagens capazes de angariar simpatia e votos junto às frações do eleitorado onde as pesquisas apontam que, com a mensagem adequada, esses votos podem ser exitosamente ciscados para seus candidatos.

Como afirmei anteriormente, a verdade é a primeira vítima nas campanhas políticas. Morre a pauladas verbais e é velada no necrotério da tevê e do rádio. Um longo velório de 45 dias, ao cabo dos quais os eleitores terão recolhido a enganosa sensação de haverem participado de uma experiência cívica. Se a eleição é para cargo majoritário - presidente, governador e senador, neste pleito - os debates poderiam ser uma alternativa mais adequada para tornar conhecidos os candidatos e seus programas. No entanto, com a multiplicação dos partidos e o consequente grande número de candidatos nanicos, também os debates ficam prejudicados pela presença de postulantes que nada têm a fazer na eleição a não ser usarem do momento eleitoral para exibições do tipo - "Olha aqui, mamãe, estou na tevê!"

Nada substitui o olho no olho entre o candidato e o eleitor. E isso, numa sociedade de massa, só pode acontecer com a redução do porte da circunscrição eleitoral, acabando com a eleição majoritária e instituindo o parlamentarismo combinado com alguma modalidade de voto distrital.
 

Leia mais

 

 Recebi de um leitor, mensagem condenando o pessimismo que "setores conservadores, reacionários", estão disseminando na sociedade com o objetivo de obter resultados políticos num período eleitoral. Em resumo, meu leitor, uma pessoa idosa, instruída, bastante conhecida aqui no Sul, está convencido de que tudo vai muito bem na economia brasileira. Esse zum-zum-zum que se ouve por aí, segundo ele, é conversa dos que desejam ferrar com o povão, afastando do poder uma elite governante onde a probidade e a competência disputam a cotovelos qual chega em primeiro lugar. O país, afirma, está sendo governado por gente da melhor qualidade e o pessimismo é uma construção maldosa da funesta oposição. Ao final da mensagem, fornece a prova do que afirma: o ingresso de dólares no país dá-se a um fluxo muito positivo. Ao contrário dos pessimistas de dentro, os investidores de fora estão otimistas com o Brasil.

 Respondi que todos devemos estar pessimistas em relação ao futuro do país quando, nos gráficos de quem analisa nossa economia, as linhas que deveriam subir estão descendo e as que deveriam descer estão subindo. Disse-lhe que ainda mais pessimistas deveríamos ficar quando pessoas esclarecidas desconhecem esses dados, ou os desconsideram, convictas de que não há o que mudar.

Mostrei a ele que o próprio governo só pode estar pessimista, e muito pessimista, quando eleva a taxa de juros para 11%. Uma taxa dessas oferece um verdadeiro termômetro do pessimismo oficial. É evidente que se o governo está disposto a pagar 11% de juros anuais, sempre haverá, no exterior, fundos interessados em fazer uma aposta na nossa banca. Afinal, essa é a maior taxa de juros paga no planeta, numa época em que os títulos do Tesouro dos EUA remuneram seu adquirentes a 0,25% ao ano e nenhum país do mundo desenvolvido paga mais de 3%.

Otimismo, nesse cenário, é pura alienação. Aliás, foi um velho comunista português, José Saramago, quem disse que só os pessimistas podem mudar o mundo porque os otimistas estão satisfeitos... O Brasil está cheio de gente "na pior" que se dá por contente.
 

Leia mais

 É comum ouvir-se que o comunismo conseguiu produzir em Cuba um elevado Índice de Desenvolvimento Humano. São oferecidos, como evidência, uma boa posição no ranking mundial (44º lugar) e um IDH de 0,815 que situa a ilha dos Castro entre os países com elevado desenvolvimento humano.

 A informação contrasta com tudo que se vê na ilha. A vida, lá, é uma luta diária pelo alimento, onde pouquíssimos podem adquirir e manter uma geladeira, onde até recentemente era proibido importar ou adquirir equipamentos elétricos com maior consumo de energia, onde sabonete é preciosidade, e por aí vai. Há, em Cuba, um imenso catálogo de impossibilidades e proibições.

 Os que exaltam a superior qualidade de vida dos cubanos, ou nunca foram a Cuba, ou foram com os olhos vendados pela cegueira ideológica, ou estiveram acompanhados por guias oficiais de quem receberam resposta prontas, ou compraram como lebre, inadvertidamente, o gato da realidade, ou são comunistas comprometidos com a propaganda de um regime que vive de mesadas remetidas pelo exterior (soviéticos, cubanos de Miami, Chávez/Maduro e petismo).

 Suponho que isto todos saibam: o comunismo fez da propaganda uma arte refinada. Depois do desmonte do mundo soviético, do feroz capitalismo chinês e do indisfarçável caráter genocida do regime norte-coreano, só lhes restou, para exercitar essa arte, aquela ilha caribenha onde os Castro instalaram sua monarquia comunista. "Sim, mas o que isso tem a ver com IDH?", indagará o leitor. É o seguinte: Cuba não permite que instituições externas avaliem o país. Quem fornece os dados para as variáveis renda, expectativa de vida e educação, é o governo cubano. E ele faz o que quer com os números sob a alegação de que os salários são reduzidos (US$ 12/mês) porque o Estado fornece à população "educação", atenção de saúde e uma ração a preços realmente baixos (dura 15 dias e não inclui proteína animal). Então, o governo joga na renda dos cubanos seus gastos com saúde e educação, levando o IDH do país para onde convenha à propaganda comunista.
 

Leia mais

 Quando assisti pela primeira vez o vídeo mostrando crianças de uma escola de primeiro grau, no Japão,executando os trabalhos de limpeza do estabelecimento, entendi o motivo pelo qual os japoneses fizeram o mesmo nos setores dos estádios que ocuparam durante a Copa. Depois, ao postar o vídeo e receber sobre ele manifestações de leitores no Extremo Oriente, soube que esse procedimento é normal por lá e se estende a praticamente todas as atividades. As pessoas são ensinadas a limpar e a manter limpo os locais que ocupam. Lembrei-me também de Bill Gates aos jovens: "Queres mudar o mundo? Começa arrumando teu quarto".

 Entendi, também, que não se pode esperar bons hábitos de uma sociedade que não foi educada para tê-los. E que tudo fica muito mais difícil quando somos minuciosamente deseducados aos bons modos. Imagine, leitor o que aconteceria no Brasil se alguma escola introduzisse tais práticas em suas pedagogia. No dia seguinte, a diretora estaria na capa dos jornais, denunciada pelo Ministério Público e, muito provavelmente candidata a linchamento pelos pais da comunidade. Seria acusada de abusadora e de exploradora do trabalho infantil. Conformemo-nos, então. Jamais seremos como os japoneses. Deixemos que nossos governantes desgovernem o país e deem conselhos ao mundo. Eles sabem.

Eles sabem o que fazem. Foi por saberem o que fazem que nossos conselheiros do Conselho Estadual de Educação quiseram proibir as escolas de expulsar alunos nos quais se esgotaram as possibilidades de obter conduta compatível com a vida civilizada e com o ambiente escolar. A quem serve ampliar ao infinito a impunidade da indisciplina nas escolas? Só pode servir a quem se beneficia da desordem. Só serve a quem precisa da desordem para seu projeto de desestabilização da ordem. Simples como isso. E como bem se vê em toda parte.
 

Leia mais