• CubaNet
  • 12/07/2021
  • Compartilhe:

EM CUBA, O POVO APANHA E DIAZ-CANEL AGRADECE A QUEM BATE

 

CubaNet

 

Depois de um domingo de massivos protestos em toda Cuba, nos quais milhares de pessoas em diferentes partes do país expressaram sua insatisfação com a gestão de Miguel Díaz-Canel e pediram liberdade para a ilha, o governante comunista voltou a falar em televisão nacional nesta manhã de segunda-feira.

Presente a imprensa oficial, quadros do Partido Comunista e governantes, Díaz-Canel garantiu que face à grave situação do país é necessário um espaço para prestar contas ao povo e noticiar sobre as tarefas para lidar com a pandemia.

O presidente parabenizou e agradeceu aos cubanos que saíram às ruas neste domingo para enfrentar aqueles que se manifestaram pacificamente por uma mudança na ilha, “em um dos dias mais históricos em defesa da revolução”.

“O povo saiu espontaneamente” para defender a revolução, disse o presidente, referindo-se às turbas organizadas pelo governo que saíram para enfrentar os que protestavam nas ruas. Os manifestantes “tiveram a resposta que mereciam, como tiveram na Venezuela e em outros povos que quiseram atacar”, acrescentou, referindo-se à violência com que enfrentaram um povo desarmado.

Como explicou desde o Palácio da Revolução, em Havana, a intervenção na cadeia nacional esta manhã visa também a  esclarecer uma série de tópicos com as quais se haveria tentado, nas últimas semanas, “impor ações de descrédito à forma clara e transparente com as quais nosso país enfrenta a pandemia, para desacreditar o trabalho do governo e da revolução e para tentar fraturar a unidade de nosso povo ”, disse ele.

No encontro de “prestação de contas” à imprensa oficial e ao povo, os apagões recorrentes que acontecem no país nos últimos meses, foram referidos por Díaz-Canel como a causa do descontentamento popular...

O governante castrista assegurou que, em 2019, quando foram ampliadas medidas restritivas, como a aplicação do Título III da Lei Helms-Burton, imposta pelo governo do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, “explicamos à população de forma muito transparente que íamos entrar em um período difícil, onde haveria dificuldades e deficiências econômicas”.

As massivas manifestações que ocorreram neste domingo em Cuba foram reprimidas pelas forças policiais do regime. O que começou como protestos pacíficos exigindo liberdade terminou com agentes de Castro em roupas civis atacando cubanos desarmados.

Díaz-Canel também falou na tarde de 11 de julho e praticamente convocou uma guerra civil após alertar que a Revolução estaria "nas ruas lutando" contra a onda de manifestações desencadeada pela grave crise humanitária no país.

“Há muitos revolucionários nesta cidade que estão dispostos a dar nossas vidas. E isso não é por slogan, é por convicção. Eles têm que passar por cima de nossos cadáveres se quiserem enfrentar a Revolução”, disse o sucessor de Raúl Castro.

Díaz-Canel assegurou que “já existem massas revolucionárias nas ruas de Havana enfrentando elementos contra-revolucionários”. E acrescentou: “Separamos os revolucionários que podem estar confusos. Separamos os habitantes de Cuba que podem ter certas preocupações, mas não vamos admitir que qualquer mercenário contra-revolucionário vendido ao governo dos Estados Unidos, vendido ao império ... vá desestabilizar nosso país ”.

*   https://www.cubanet.org/noticias/diaz-canel-agradece-a-los-represores-en-una-de-las-jornadas-mas-historicas-en-defensa-de-la-revolucion/