Esse símbolo tem aparecido frequentemente nas redes sociais. Trata-se da letra arábica N, utilizada para representar a palavra Nasrani (Nazareno). Em árabe é um sinônimo de cristão.

No Iraque, notadamente na cidade de Mossul, onde ocorre severíssima repressão contra os cristãos, essa letra é pintada na porta das moradias onde eles vivem, servindo para identificá-los, tornando-os alvos de ataques contra suas vidas, liberdade e patrimônio. Mais de 300 mil cristãos já abandonaram o Iraque desde 2003, fugindo das três possibilidades que lhes são oferecidas para que possam permanecer: a) converterem-se ao islamismo; b) pagarem impostos especiais exorbitantes; c) serem mortos. Obviamente, milhares abandonam o país, onde a cristianismo chegou no ano 33 a.C., através de São Tomé. Em Mossul, onde o martírio é mais intenso, quase não há mais cristãos após 2 mil anos de história. Pergunto: o que faz a diplomacia brasileira a esse respeito? O que faz a ONU? Que tipo de pressão impõem sobre nossos governantes os seus conselhos de direitos humanos? O Brasil já escolheu seu lado no conflito em Gaza. Ficou com os terroristas do Hamas. A quem beneficia seu silêncio sobre o que ocorre no Iraque?

 

  • 30 Julho 2014

CASO SANTANDER - O ANALISTA, O GOVERNO DILMA E O BANCO


 O que mais chamou a minha atenção nesse episódio não foi que uma análise sobre conjuntura sócio-econômica tenha causado tamanho rebuliço e desconforto nas altas esferas governamentais. Eu sei que essas esferas devem apreciar muito mais as "Análises de Conjuntura" elaboradas pela assessoria da CNBB e publicadas, acriticamente, no site da Conferência. A essas, em algumas edições, só falta pedir um Pai Nosso e três Ave-Marias pela reeleição de Dilma.

 O que me chama a atenção é o fato de um banco ser constrangido, pelo poder do governo central da República, a demitir o analista e a alterar para pior o trabalho de quem que nada mais fez do que analisar o cenário e apontar seu prognóstico. Em outras palavras: o ex-analista do Banco Santander cumpriu seu dever funcional afirmando que os indicadores nacionais que devem ser positivos são descendentes, que os indicadores que devem ser descendentes não param de subir, e que, na manutenção das atuais políticas, a situação só pode piorar. O Santander, pressionado pela repercussão que o governo burramente produziu, afirmou, contra toda realidade, que as coisas vão bem e só podem melhorar.

E viva a mentira, a simulação, a enganação. Afinal, é tempo de eleição e o império da mentira vai fazendo suas vítimas.
 

  • 29 Julho 2014

"Coisas mortas podem seguir com a corrente. Somente coisas vivas podem fazer o oposto".

Não surpreende que um gênio como Chesterton tenha prognosticado, no início do século passado, o quanto serviriam à civilização aqueles que, compreendendo o sentido de suas palavras, se tornassem, no tempo presente, adversários do politicamente correto.

Muitos pensam que essa tentativa de disciplinar a linguagem seja coisa de esquerdista brasileiro, esquisitice de gente como o senhor Nilmário Miranda, que criou a Cartilha do Politicamente Correto, quando ministro do governo Lula. Mas não, o Google mostra a força desse estrupício também nos Estados Unidos, exibindo quase dois milhões de referências à expressão "political correctness", contra 860 mil em língua portuguesa. Nadar contra a corrente exige vitalidade e firmeza de caráter e é por isso que a oposição é tão diminuta no Brasil. Aqui, apesar de tudo que se sabe e se vê, a esquerda invocou para si a correção política, tornando politicamente incorreto, por exemplo, dizer que os movimentos sociais cometem crimes quando eles estão fazendo exatamente isso, ou afirmar que lugar de bandido é na cadeia, ou, mais simplesmente ainda, chamar comunista de comunista.
 

  • 28 Julho 2014

O COMUNISMO SEGUNDO MILLÔR FERNANDES

 

Brilhante a frase do nosso Millôr Fernandes. Se buscarmos os porquês dessa constatação, vamos verificar que o comunismo tem, como ponto de partida, um erro antropológico incorrigível. Ele desconhece a natureza da pessoa humana. Ele precisa de um homem novo, que não é o homem do Evangelho, mas é um homem que se define pelas mutilações que o regime lhe impõe, como muito bem, à luz da Razão, sintetizou Millôr nessa sentença condenatória.

O comunismo exige um tipo humano inexistente na natureza, um tipo humano que aceite ser privado da liberdade, das vocações naturais, dos próprios bens, dos também naturais sentimentos familiares, e que transfira para o Estado a fé que tenha em Deus e em si mesmo. É tão anti-natural e intelectualmente desonesto o comunismo que, após seus sucessivos fracassos ao longo do século 20, raramente se apresenta como o nome próprio.
 

  • 27 Julho 2014

 

O general reformado Hugo Carvajal, ex-diretor de Inteligência Militar e um dos homens mais temidos da Venezuela, foi preso na tarde de quarta-feira no aeroporto internacional Queen Batrix de Aruba, por sua suposta participação em operações de narcotráfico, segundo informa o jornal El Nuevo Herald, de Miami (EUA) em reportagem assinada pelo jornalista Antonio Maria Delgado.

Carvajal, que em 2008 havia sido incluído na lista negra do Departamento do Tesouro norte-americano, por sua suposta participação nas operações de narco-tráfico das FARC, foi detido após chegar à Ilha de Aruba num avião particular.

A detenção ocorreu por solicitação das autoridades norte-americanas, que esperam transferir o prisioneiro ao território norte-americano com a maior brevidade possível.

Segundo fontes consultadas por El Nuevo Herald, Carvajal era uma das engrenagens mais importantes na participação do Exército da Venezuela nas operações de narcotráfico.

“Esta é a jóia de Coroa. Este é o Pablo Escobar desta história”, disse uma das fontes envolvidas na operação que falou sob condição de anonimato.

Segundo a reportagem, o tiranete bolivariano Nicolás Maduro e seus sequazes todos histéricos, enlouqueceram com a notícia, enviando a Aruba uma delegação para tentar livrar o famigerado General Carvajal das garras da justiça americana. Já o diário espanhol ABC salienta que Carvajal controlava tudo em ligação com as FARC e promovia a lavagem de dinheiro por meio da PDVSA, a estatal petroleira venezuelana com é a Petrobras no Brasil.
Transcrevo, por isso, a reportagem completa de El Nuevo Herald no original em español. Carvajal era o homem-forte do finado caudilho Hugo Chávez e de Maduro. Trata-se portanto de peixe bolivariano graúdo.
 

aloisioamorim.blospot.com.br

  • 26 Julho 2014

Embora o senso histórico aponte para um antagonismo entre fascismo e o comunismo, há entre ambos vários pontos de contato: o aniquilamento das oposições (que pode ser obtido pela força ou pelo bloqueio das estruturas sociais e políticas não controladas pelo partido); o dirigismo estatal; a identificação do partido com o Estado e com a Administração; e o empenho em integrar nas estruturas de influência e controle do partido a totalidade das relações econômicas, sociais, políticas e culturais. Mussolini cuidava de desqualificar as instituições democráticas que ainda se atreviam a expressar algum pluralismo. São dele as seguintes palavras: “Oposição a uma nação monolítica é supérflua”. Veja o quanto, ainda que em menor grau, isso tudo está acontecendo no Brasil.

  • 25 Julho 2014