POLITICAMENTE CORRETO - DOIS CONCEITOS

Atribui-se a um estudante australiano a frase segundo a qual - "Politicamente correto é uma doutrina, sustentada por uma minoria iludida e sem lógica, que foi rapidamente promovida pelos meios de comunicação e que sustenta a ideia de que é perfeitamente possível pegar num pedaço de excremento pelo lado limpo".

Também a respeito do tema, pode-se afirmar, sem medo de errar que o "politicamente correto" constitui uma forma de opressão estabelecida no plano da cultura. Em seus desdobramento favorece a ditadura da minoria.
 

  • 11 Julho 2014

Esse gráfico mostra com fartura de exemplos o quanto é desigual nossa comparação com a Alemanha. Perdemos de goleada em objetivos muito mais importantes do que os futebolísticos. Isso não nos deve desanimar e menos ainda nos conformar. Vivemos sob a regência de um Estado que atrapalha muito e ajuda pouco. Ele precisa ser reformatado. E essa é uma tarefa inadiável. Coisa para começar já, afastando-nos dos vendedores de ilusões. A Alemanha, saiu da 2ª Guerra Mundial derrotada, destruída e com perda significativa de território e força de trabalho. E em poucos anos retornou ao convívio das potências econômicas mundiais.

  • 10 Julho 2014

A democracia é um regime frágil. Ela pode adoecer por ação de fatores externos e internos. O excessivo número de partidos, por exemplo, favorece diversas formas de corrupção e reduz a eficiência de suas instituições e de seus instrumentos. Em relação a este último aspecto: nos próximos três meses passaremos a assistir debates entre candidatos aos pleitos majoritários. Candidatos reais, com base partidária e perspectivas eleitorais, dividirão nobilíssimo espaço com candidatos fake, atraídos pela luz dos holofotes. Seja por seus intuitos, seja por sua inadequação ao ato em si, eles simplesmente reduzem a importância do ato e seu significado aos eleitores.

  • 10 Julho 2014

"A política que aprendi a praticar ao longo de minha vida, desde a minha juventude, que me levou inclusive à prisão, implica em construir relações que sejam baseadas não em conveniências, mas em convicções". Dilma Rousseff, sobre os apoios que recebeu do PP e do PDS à sua candidatura...

Fale sério, presidente. Não fica bem dizer que não está fazendo aquilo que está fazendo no exato momento em que é fotografada fazendo. Haverá quem possa ver alguma convicção nos apoios que a senhora está recebendo?

  • 27 Junho 2014

 

Leio no Diário do Poder

O presidente demissionário da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, que cobra “envolvimento” do presidente Jair Bolsonaro nas privatizações, não se esforçou para isso.

O Planalto acha que ele dificultou o quanto pôde o processo de privatização da estatal. Não fez o básico: separar o que é considerado “intocável” pela Constituição, como Itaipu e Eletronuclear.

Tampouco vendeu as mais de cem sociedades de propósito específico (SPEs) penduradas na Eletrobrás. Nem precisava convocar assembleia geral. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

COMENTO

Essa é uma situação muito comum. O espírito de corpo, o corporativismo, é um torniquete aplicado a cada processo de privatização porque os funcionários dessas estatais estão convencidos de que ninguém conseguirá conduzir as atividades da empresa com maior qualidade e tão bom preço.

Só que isso não e bem assim. Primeiro, trata-se de um natural mecanismo de autoproteção, expressão do desejo de manter o monopólio sobre seu posto de trabalho.

Por isso, a cada ato de privatização, obriga-se o governo a manter um plantão com centenas de advogados da AGU para obstaculizar as ações simultâneas que ingressam nas varas federais do país com o intuito de impedir os leilões.

Por outro lado, entre os 39 países que integram um levantamento da OCDE, o Brasil é o que tem sob sua tutela o maior número de estatais nacionais (418)! Se a isso acrescentarmos as empresas públicas  estaduais e municipais, o número vai a vários milhares.

Finalmente, o país precisa fazer caixa para sair da crise fiscal a que foi empurrado pela Covid-19 e por determinações imprudentes  e inúteis impostas às suas atividades produtivas.

  • Percival Puggina, com conteúdo do Diário do Poder
  • 27 Janeiro 0202

Percival Puggina

 

Ninguém nega, hoje, que as redes sociais descortinaram imenso território para que a liberdade de opinião possa ser exercida. Abriram a porta para que milhões de “fotógrafos” e “cinegrafistas”, com suas câmeras, seus flagrantes e seus registros chegassem até o mais longínquo ponto de acesso proporcionado por um provedor de internet.

Os efeitos foram imensos! Novos atores surgiram na política dos povos em função de sua habilidade de operar tais recursos, com a vantagem de fazê-lo a custo irrisório. A liberdade de expressão ganhou seu mais amplo sentido. Novas celebridades surgem a cada dia.

Os grandes veículos, as grandes redes de comunicação sentiram de imediato a perda de influência junto à opinião pública. O que antes, de modo patrulhado e mesquinho, era representado pelo pequeno espaço das seções “Fale conosco” ou “Opinião do leitor”, foi substituído por milhões de vozes. Democratizou-se o direito de dar vida e palavra ao pensamento, ainda que, não raro, em modo caótico.

Não demorou muito para que os donos dessas plataformas, as chamadas Big Techs, cedessem à tentação de patrulhar essas opiniões. Afinal, aquilo não lhes pertencia? Por que aceitar que fossem usadas como espaço público se aconteciam em plataformas privadas? E começou a censura! Aliás, a tentação era inevitável. Afinal, quem ganhava o debate político nas redes sociais era majoritariamente avesso à linha “progressista”, à Nova Ordem Mundial e à reengenharia humana e social por elas pretendida.

Ganha destaque, então, a opinião do ministro Clarence Thomas da Suprema Corte dos Estados Unidos num processo entre Trump e o Twitter em abril deste ano. A opinião do ministro está inserida no processo, mas as características dessa ação não dão a ela uma amplitude geral de aplicação. Em síntese, porém, proporcionou um alerta ao Congresso, denunciando estarem as plataformas “patrulhando o que é dito em seus sites”, e informando “não ser direta a aplicação das antigas doutrinas às novas plataformas digitais”.

Eis um desafio aos legisladores. Há um entrevero entre o princípio da liberdade de expressão, do direito de propriedade e da liberdade de mercado. Talvez seja essa uma das mais complicadas tarefas para parlamentares e tribunais nestes novos tempos. Não há dúvida de que juntando o poder de comunicação nas plataformas com o direito de censura às opiniões produz-se um poder monstruoso capaz de produzir grande estrago antes de o mercado resolver a encrenca criando alternativas com poder equivalente. Ou, na analogia utilizada pelo juiz Clarence para caracterizar tal dificuldade: pode-se atravessar um rio a nado ou por uma ponte com pedágio...