O futebol não é exatamente a minha praia. No entanto, o sofrível desempenho da seleção brasileira me leva a algumas ponderações. Nossos atletas convocados atuam em algumas das melhores equipes européias e não me consta que estejam relegados ao banco ou ao ostracismo. Enfrentam equipes qualificadas. Recebem altos salários e têm passes valorizados. Todos seriam titulares, também, em qualquer equipe brasileira. Onde encontrar, então, a explicação para esse desastre? A meu ver, os visíveis problemas dos clubes e da seleção brasileira devem estar relacionados aos treinadores. Enquanto todos os grandes clubes buscam atletas brasileiros, nenhum está interessado nos nossos treinadores. Por quê?

  • 12 Julho 2014

POLITICAMENTE CORRETO - DOIS CONCEITOS

Atribui-se a um estudante australiano a frase segundo a qual - "Politicamente correto é uma doutrina, sustentada por uma minoria iludida e sem lógica, que foi rapidamente promovida pelos meios de comunicação e que sustenta a ideia de que é perfeitamente possível pegar num pedaço de excremento pelo lado limpo".

Também a respeito do tema, pode-se afirmar, sem medo de errar que o "politicamente correto" constitui uma forma de opressão estabelecida no plano da cultura. Em seus desdobramento favorece a ditadura da minoria.
 

  • 11 Julho 2014

Esse gráfico mostra com fartura de exemplos o quanto é desigual nossa comparação com a Alemanha. Perdemos de goleada em objetivos muito mais importantes do que os futebolísticos. Isso não nos deve desanimar e menos ainda nos conformar. Vivemos sob a regência de um Estado que atrapalha muito e ajuda pouco. Ele precisa ser reformatado. E essa é uma tarefa inadiável. Coisa para começar já, afastando-nos dos vendedores de ilusões. A Alemanha, saiu da 2ª Guerra Mundial derrotada, destruída e com perda significativa de território e força de trabalho. E em poucos anos retornou ao convívio das potências econômicas mundiais.

  • 10 Julho 2014

A democracia é um regime frágil. Ela pode adoecer por ação de fatores externos e internos. O excessivo número de partidos, por exemplo, favorece diversas formas de corrupção e reduz a eficiência de suas instituições e de seus instrumentos. Em relação a este último aspecto: nos próximos três meses passaremos a assistir debates entre candidatos aos pleitos majoritários. Candidatos reais, com base partidária e perspectivas eleitorais, dividirão nobilíssimo espaço com candidatos fake, atraídos pela luz dos holofotes. Seja por seus intuitos, seja por sua inadequação ao ato em si, eles simplesmente reduzem a importância do ato e seu significado aos eleitores.

  • 10 Julho 2014

"A política que aprendi a praticar ao longo de minha vida, desde a minha juventude, que me levou inclusive à prisão, implica em construir relações que sejam baseadas não em conveniências, mas em convicções". Dilma Rousseff, sobre os apoios que recebeu do PP e do PDS à sua candidatura...

Fale sério, presidente. Não fica bem dizer que não está fazendo aquilo que está fazendo no exato momento em que é fotografada fazendo. Haverá quem possa ver alguma convicção nos apoios que a senhora está recebendo?

  • 27 Junho 2014